ACAIÁ
Porte Alto

ORIGEM

Originou-se da seleção de plantas individuais da cultivar Mundo Novo, sendo, portanto, ‘Mundo Novo’ por origem. O nome Acaiá, em tupi-guarani, significa frutos com sementes grandes, o que caracteriza as cultivares deste grupo. É possível que as sementes maiores de ‘Acaiá’ tenham provindo da cultivar Sumatra, que participou da origem de ‘Mundo Novo’. Na progênie P474 de ‘Mundo Novo’ foram obtidas plantas com sementes maiores, de peneira média um ponto a mais que a de outras seleções de ‘Mundo Novo’. Verificou-se também que suas progênies S2 apresentavam sementes maiores que as de ‘Mundo Novo’. Os descendentes de prefixo IAC 474 deram origem às cultivares do grupo Acaiá, as quais começaram a ser distribuídas aos cafeicultores a partir de 1977. Nesta época havia apenas a cultivar Acaiá e suas linhagens. Em 1999, cada uma das linhagens da cultivar Acaiá foi registrada como uma nova cultivar no Registro Nacional de Cultivares (RNC).

 

CARACTERÍSTICAS

São cultivares suscetíveis à ferrugem, mas apresentam boa produção de café beneficiado e são rústicas. A altura média das plantas adultas é de 4,2 m (4,1 a 4,4 m) e o diâmetro médio da copa, de 1,8 m (1,6 a 2,0 m), apresentando copa de formato mais fino que ‘Mundo Novo’ (Figura 1). A cor das folhas novas é, geralmente, bronze e os ramos secundários são menos abundantes que na maioria das cultivares Mundo Novo. Os dois florescimentos principais ocorrem de setembro a outubro e a maturação dos frutos, de abril a julho, nas condições do Estado de São Paulo. O período médio desde a fertilização à maturação completa dos frutos, nas condições de Campinas, SP, é de 220 dias.

O peso médio de 1.000 sementes do tipo chato alcança 140 g, com variação de 135 a 144 g. O valor da peneira média varia de 18,0 a 19,0 e o rendimento médio, isto é, a relação entre o peso de café maduro e o de beneficiado, é de 5,6. O rendimento, em porcentagem, é de 50% (relação entre o café beneficiado e o café em coco). A porcentagem média de sementes do tipo chato é de 80,6% (77,8% a 84,5%). A produção média da ‘Acaiá’ é de 30 sacas de café beneficiado por hectare, podendo variar de 25 a 35 sacas por hectare. Em plantios adensados e ou irrigados, conseguem se maiores produções (cerca de 60 sacas/ha), sendo que em experimentos obteve-se 100 sacas/ha. A qualidade da bebida é muito boa. Por sua origem, a composição da cultivar Acaiá é cerca de 50% de ‘Bourbon Vermelho’ e 50% de ‘Típica’ (‘Sumatra’).

 

RECOMENDAÇÕES DE PLANTIO

As cultivares do grupo Acaiá que foram registradas no Registro Nacional de Cultivares (RNC), em 1999 e se encontram em distribuição, têm os seguintes sufixos: IAC 474-1, IAC 474-4, IAC 474-6, IAC 474-7, IAC 474-19, IAC 474-20. A cultivar Acaiá IAC 474-19 é a mais plantada, principalmente no Sul de Minas Gerais.

As cultivares Acaiá têm boa capacidade de adaptação às regiões cafeeiras do Brasil e podem ser indicadas, principalmente quando se pretende utilizar colheita mecânica e obter sementes maiores. Elas são especialmente indicadas para o plantio adensado na linha, pois apresentam ramos laterais mais curtos e seus frutos são mais uniformes na maturação. Os espaçamentos 2,0-3,0 m x 0,5 m têm sido utilizados em plantios adensados e 3,6-4,0 m x 0,5-0,7 m, em plantios que permitem mecanização.

 




Alameda do café, 1000, Vila Verônica
37026-483, Varginha-MG.
(35) 3214-1411