Procafé Atende - Controle de pragas/doenças

Município: 
São José do Calçado
Estado: 
ES
Região baixa de São José do Calçado. Lavoura adubada e calcariada.

 

Resposta:

Senhor José, diz que seu café começa murchando, depois vai amarelecendo e morre. Ocorre em diversos pés na lavoura inteira, conforme as fotos anexo. Café conilon, idade 4 e 5 anos.

Região baixa de São José do Calçado. Lavoura adubada e calcariada. Nós atendemos dizendo que a causa de morte de plantas está ligada ao seu sistema radicular e a obstruções no tronco das plantas. Quanto ao sistema radicular sabe-se que mudas oriundas de estacas, com muitos piões nas raízes, ficam com raízes mais superficiais e em épocas de seca ficam com pouca disponibilidade de água. Outra causa é a fusariose, uma doença que atava o tronco das plantas. Veja ai, arrancando essas plantas, se elas tem sistema radicular pouco profundo ou se possuem lesões no caule. Matiello

Município: 
Nepomuceno
Estado: 
MG
O nematóide encontrado na propriedade é o meloidoges exígua

 

Pergunta:

Senhor Antonio, diz que o nematóide encontrado na propriedade é o Meloidoges exígua  e pergunta se existe um nível de nematoide, em tabela, pra iniciar o controle. Nós atendemos dizendo que não existe uma tabela que trate de uma população limite pra uso de nematicidas, mesmo por que essa infestação de nematoides é variável dentro da área da lavoura. Ademais, os nematicidas normais tem dificuldade de ação, pela profundidade do solo, em raízes de cafeeiros adultos. Temos, ainda, que a espécie M. exígua permite uma convivência em cafeeiros adultos. Nesse c aso aumente um pouco a nutrição e use adubos orgânicos em primeira instancia. Só depois use nematicidas. Matiello

Município: 
Bariri
Estado: 
SP
Tinha aproximadamente 12000 pés de café Ubatã Vermelho, com aproximadamente 18 meses, os quais veem sofrendo primeiro por tombamento, casca corroída na superfície, o que cortou mais de 1500 pés, e agora com morte rápida através do amarelamento (amarelo/alaranjado) e escurecimento dos pés, dando até impressão de apodrecimento do sistema radicular, tive ataque de acaro vermelho e bicho mineiro pulverizado 02 vezes, e via solo utilização de Actara e outra de Durivo, na região, bem como na área plantada tem grande incidência de migdolus, minha roça parece velório, um pé morre, outro solta flor, e eu choro, preciso de ajuda. Caso necessário tiro e mando fotos, antecipadamente agradeço.

 

Resposta:

Senhor Paulo diz que está ocorrendo uma morte rápida morte rápida após amarelamento e posterior escurecimento dos pés de café, com elevação descontrolada de incidência no período chuvoso e quente. Diz que tinha  aproximadamente 12000 pés de café Obatã Vermelho, com aproximadamente 18 meses, os quais veem sofrendo primeiro por tombamento, casca corroída na superfície, o que cortou mais de 1500 pés, e agora com morte rápida através do amarelamento (amarelo/alaranjado) e escurecimento dos pés, dando até impressão de apodrecimento do sistema radicular, tive ataque de acaro vermelho e bicho mineiro pulverizado 02 vezes, e via solo utilização de Actara e outra de Durivo, na região, bem como na área plantada tem grande incidência de migdolus, minha roça parece velório, um pé morre, outro solta flor, e eu choro, preciso de ajuda. Nós atendemos dizendo que em sua área, caso tenha havido cultivo anterior de cana, deve ter multiplicado o Migdolus. Outra causa de morte, porem em reboleiras é a ocorrência de nematoides da espécie M. paranaenses, isso caso sua área tenha sido, anteriormente, cafezal velho. No entanto como mostra a foto, as plantas morrem salteadas, isto indicando que outras causas a não ser as pragas citadas, pode estar influindo. Uma causa de morte de plantas é por sistema radicular enovelado e poucas raízes, oriundo de mudas ruins ou mal plantadas. Outra causa ainda, que pode observar ai seria o uso de adubos em dose elevada, ocorrendo acumulo de sais. Dentre estas causas pode observar ai qual ou quais podem estar acontecendo. No caso de ser o Migdolus o controle é difícil pela profundidade do solo onde se lovalizam e, assim, seu controle é mais efetivo em tratamentos no sulco do plantio do café. O produto que usou, o Actara possui o ativo nicotinóide que é indicado para essa praga. Caso se confirme o Migdolus pode ver isso cavando e observando o sistema radicluar e a presença da praga nas plantas em processo de morte. Poderia ainda, tentar o uso do Fipronil, também indicado para o Migdolus. Matiello

Anexo: 
Município: 
Virginópolis
Estado: 
MG
Qual é o melhor tratamento, para esse problema?

 

Resposta:

Senhor Magno diz que viui essa queima de ponteiros em algumas reboleiras. Café mundo novo, recepado em meia encosta. Pergunta se dá para definir o que é. Nós atendemos dizendo que a seca de ponteiros pode ser de origem nutricional, quando existe deficiência de magnésio, cálcio, boro e outros nutrientes ou pode ser por doenças, nesse caso por Pseudomonas ou Phoma. Veja ai, por resultados de análises de folhas e pelo exame de doenças também nas folhas, já que na foto isso não é possível. Matiello

Município: 
Alegre
Estado: 
ES
Gostaria de saber se eu usar Impact + Premier Wg consigo o mesmo controle de pragas/doenças e o mesmo efeito tonico do Verdadeiro, Premier Plus e etc? posso usar essa combinação nas mudas de café arabica que irei plantar agora em novembro aproveitando que já tenho esses produtos na minha propriedade? Qual a dosagem?

 

Resposta:

Senhor Everson, diz que gostaria de saber se eu usar Impact + Premier Wg se consigo o mesmo controle de pragas/doenças e o mesmo efeito tonico do Verdadeiro, Premier Plus etc? posso usar essa combinação nas mudas que irei plantar agora em Novembro? Qual a dosagem. Nós atendemos dizendo que a combinação do impact com um neonicodinóide é parecida com a formulação do verdadeiro que possui ativos parecidos. Quanto à dosagem para plantas novas pode-se usar à razão de 1,5 litro de Impact por há e 300 g do Premier WG por há.

Município: 
Lavras
Estado: 
MG
O boro na análise de solo está baixo 0,3 foi pulverizado com Cantus e depois com opera.

 

Resposta:

Senhor Geraldo, pelas fotos vemos forte seca de ponteiros, podendo estar relacionado ao ataque de Phoma ou de Pseudomonas, esta última mais provável. Veja a condição da lavoura se é muito batida por ventos que facilita a entrada dessas duas doenças. Caso seja em reboleira poderia ser falta nutricional por mancha de solo muito pobre, ou, ainda, se for em reboleira bem definida e poucas plantas, poderia ser uma morte por raio. Veja ai. Matiello

Município: 
Virginópolis
Estado: 
MG

 

Resposta:

De fato os triazóis ou sua mistura com estrobilrulina são mais específicos pra ferrugem. No caso do café novo se visa mais a cercosporiose. Na mesma linha, nesse caso, pode usar uma combinação de fungicida cúprico com o Comet. Matiello

Município: 
São Domingos do Norte
Estado: 
ES
O que e quando utilizar nas aplicações de pré e pós florada do conilon (via solo e folha)? Ouço opiniões controversas sobre a realização de alguns procedimentos quando a flor está aberta. O que pode ou não ser feito e quais cuidados devem ser tomados nesta fase? Obrigado.

 

Resposta:

Senhor Everton, pergunta o que e quando utilizar nas aplicações de pré e pós florada do conilon (via solo e folha)? Ouço opiniões controversas sobre a realização de alguns procedimentos quando a flor está aberta. O que pode ou não ser feito e quais cuidados devem ser tomados nesta fase. Nós atendemos dizendo que as aplicações de fungicidas em zonas mais quentes, pra prevenir doenças de florada, tem pouca importância, pois essas doenças são mais de clima frio e úmido. Se quiser usar tudo bem, mal não faz, mas apenas produtos específicos, via foliar. No caso do conillon, no dia da abertura das flores não deve aplicar defensivos pois eles podem prejudicar os insetos polinizadores, já que nessa espécie de cafeeiro a fecundação é cruzada. Matiello

Município: 
Fortaleza
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Jean, pode sim, pois ele possui a estrobilurina em sua composição, no entanto o ideal seri usar uma combinação do Comet e do Cantus ao invés do ópera pois o triazol do ópera pouco atua contra doenças de florada. Este é mais especifico contra ferrugem. Matiello

Município: 
Socorro
Estado: 
SP

 

Resposta:

Senhor Gabriel, diz que  pretende aplicar Verdadero em outubro no café com 8 meses de plantio qual a dosagem correta do produto nesta condição tendo 6.500 plantas/hectare ?? E quantos ml de calda aplicar por planta ? Nós atendemos dizendo que pode usar cerca de 400 g do produto por há. No drench, como o café é novo pode usar 20 ml por planta, então em 6500 plantas vai usar 130 l da calda. Nela coloque as 400 g do produto. Matiello

Município: 
Caratinga
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Juarez, diz que  esse ano muitas lavouras sofreram com a ferrugem tardia. Apos a colheita, mesmo no inverno, vale a pena pulverizar ou a eficiência fica comprometida? Por que ? Qual fungicida usar (contato, sistêmico ou ambos)? Nós atendemos dizendo que praticamente não adianta mais controlar após à colheita, pois as folhas atacadas muitas caem durante a colheita ou logo após. Isso seri possível até meados de maio. Os fungicidas triazóis vem apresentando pouco poder curativo. Antes eram eficazes. Caso queira fazer essa aplicação use uma combinação de uma estrobilurina mais fungicida cúprico assim aproveita parte da aplicação para doenãs de pré-florada e para algo de cercosporiose tardia. Matiello

Município: 
Abaira
Estado: 
BA

 

Resposta:

Senhor tulho, pergunta se as mudas da foto a ainda tem jeito? Preciso de algumas dicas para melhorar-las. Nós atendemos dizendo que suas mudas estão fracas, um pouco por falta de nutrientes ou concorrência de mato. Compensaria recuperar caso seja mais de 30% de plantas ainda vivas. Pra isso use adubação nas mudas, umas 5 g de fórmula 20-0020 por planta, podendo ser no gotejo (com uréia e cloreto de potássio branco) faça o controle do mato deixando pelo menos 1 m de cada lado da linha limpo e pulverize com uma combinação de Amistar a 0,1 % mais fungicida cúprico a 0,3%. Faça 2 tratamentos, espaçados de 30 dias. Caso tenha menos de 30% de plantas vale a pena plantar novamente. Caso tenha mais pode preparar mudas e faça o replantio. Matiello

Município: 
Abaira
Estado: 
BA

 

Resposta:

Senhor Tulio, diz estar  com um café recem plantado e a cescoporiose atacou, o devo usar? Comprou o kasumin e comecei aplicar, encontrei TB o amostrar, qual melhor ? Nós atendemos dizendo que o Amistar é um fungicida mais eficiente contra a cercosporiose, devendo, se possível, combinar com um fungicida cúprico. Veja, ainda, a questão de deficiência nutricional, especialmente do nitrogênio, pois a cercospora é favorecida pela fraqueza das plantas. Matiello

Município: 
Abaira
Estado: 
BA

 

Resposta:

Senhor Tulio, diz que plantou mudinhas de café e com 60 dias as mudas começaram a amarelar e cair as folhas. Diz estar  preocupado e indaga se essa doença mata as mudas. Nós ate4ndemos dizendo que um fator mais importante no amarelecimento e desfolha das mudas é a falta de água no pós-plantio. Como não enviou fotos, a causa provável seria essa, pois é a mais frequente. As mudas saem do viveiro onde são sombreadas e recebem água continuadamente. No campo começam a receber sol e nem sempre chove. Como as raízes das mudinhas são poucas elas sentem a falta de água e dai amarelecem e começam a soltar folhas. Nessa condição de fraqueza das plantas podem vir doenças oportunistas, como a cercosporiose. Nesse caso observe as plantas, se começam a murchar e faça molhações pra elas se restabelecerem. Pode aplicar, ainda, pra ajudar a evitar doenças uma combinação de fungicida cúprico a 0,25% com uma estrobilurina, como o Comet ,este a 0,17%. Matiello?

Município: 
Monte Carmelo
Estado: 
MG
Os adultos morrem e logo aparece nova revoada, como controlar? quais produtos sugere? fiz assopração das folhas sob a copa do cafeeiro e as triturei.

 

Resposta:

Senhor Luiz, pergunta como controlar o bicho mineiro, já fiz de tudo produtos via solo, via foliar, combinação de produtos e nada de controle, os adultos e larvas insistem em permanecer

Os adultos morrem e logo aparece nova revoada, como controlar? quais produtos sugere? fiz assopração das folhas sob a copa do cafeeiro e as triturei. Nóa atendemos dizendo que ultimamente o controle do BM está difícil mesmo, provavelmente pela sua resistência ou pelo desequilíbrio. Tente usar um novo ativo contido no Sivanto Plus e, com os produtos normnais, procure reduzir o intervalo entre aplicações. No futuro teremos materiais genéticos com resistência. Matiello

 

Município: 
Lagoa Formosa
Estado: 
MG
Estive usando 45 litros de vazão por hectare no pós plantio (até 50 dias de plantado), agora quero aumentar a vazão para 80 litros, agora que a lavoura ja está com mais de 100 dias de plantada. Este posicionamento de vazão está correto e de acordo com a idade das plantas? Tenho que adequar a dose dos produtos com a vazão, pois as doses da bula estão para 400 l de água. Preciso abaixar as doses proporcionalmente à vazão? desde já obrigado/

 

Resposta:

Senhor Jeferson, diz que esteve usando 45 litros de vazão por hectare no pós plantio (até 50 dias de plantado), agora quero aumentar a vazão para 80 litros, agora que a lavoura ja está com mais de 100 dias de plantada. Este posicionamento de vazão está correto e de acordo com a idade das plantas? Tenho que adequar a dose dos produtos com a vazão, pois as doses da bula estão para 400 l de água. Preciso abaixar as doses proporcionalmente à vazão?  Nós atendemos dizendo que no caso de plantas jovens o cálculo da dose deve ser feito por percentagem na calda. Por exemplo se um produto tem uma dose indicada de 2Kg por há pra uma lavoura adulta, você deve colocar estes 2 Kg em 400 l dágua e usar este percentual na calda, ou seja, 0,5%/ então vai usar sempre a calda nessa proporção. Como disse que usa agora 80 litros por há, na sua lavoura nova, você estará usando a dose de 0,4 kg por há nessa lavoura. Matiello

 

Município: 
Itamogi
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Dimas diz que Plantas estão morrendo próximo a uma matinha, ou pode ser concorrência pelas raízes das árvores? Atendemos dizendo que  pela foto parece mais efeito de concorrência das árvores. A roseliniose sempre vem associada com tocos ou paus podres onde o fungo se desenvolve e em seguida vai caminhando, em reboleira, e atacando as raízes do cafeeiro. Matiello

Município: 
Franca
Estado: 
SP
Tenho uma area pequena de cafe na qual com Phoma e Mancha areolada, quais produtos seriam recomendados para a aplicacao? Em qual epoca seria apicado?

 

Resposta:

Senhor Jorge, diz ter  uma  pequena área de cafezal  com Phoma e Mancha areolada, quais produtos seriam recomendados para a aplicação e em que época. Nós atendemos dizendo que as duas doenças são beneficidas por períodos frios e úmidos, com chuvas finas e continuadas, bem como em áreas com mais vento. Assim as épocas prioritárias pra tratamento são a partir de julho e até novembro, esta última próximo(antes e depois) á floração para proteger a safra. Os produtos pra mancha aureolada são basicamente os cúpricos e pra Phoma pode ser as estrobilurinas ou suas combinações. Matiello

Município: 
canaa
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor  Adeir,

Observando a foto que enviou nos parece que seu problema se deve a deficiência nutricional, com aparência de falta de fósforo e de cobre. Esta deficiência pode ser real ou induzida. Matiello

Município: 
São Sebastião do Paraíso
Estado: 
MG
Essa queima e queda pode estar relacionado também a sol muito forte?

 

Resposta:

Senhor Pablo, diz que sua  lavoura recém plantada apresenta tipo uma queima e queda das folhas conforme vê na imagem. A princípio ela estava com olho pardo e fiz 2 aplicações com cantus, comet, soil set e cooper crop.Pergunta o  que pode estar causando essa queda nas folhas e se essa queima e queda podem estar relacionadas  também a sol muito forte. Nós atendemos dizendo que  o problema deve estar relacionado a uma deficiência, real ou induzida, de fósforo, seja por falta no sulco, seja por estiagem, seja por poucas raízes. Em consequência a planta amarelece as folhas e ocorre a cercosporiose negra, as quais provocam a queda das folhas. Matiello

Município: 
Monte Carmelo
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Flavio, pergunta qual(is) produtos mais eficientes versus a cercosporiose( já instalada ) dos frutos do cafeeiro e se  existe algum outro tipo de controle (cultural). Nós atendemos dizendo que os fungicidas para controle de cercosporiose devem ser aplicados preventivamente, pouco resultando quando de forma curativa, ou seja, quando a doença se instala nos frutos. O que se indica é uma combinação de fungicida cúprico com uma estrobilurina, isso mais pra proteger frutos ainda não infectados, já que não se conhecem produtos que tenham efeito curativo contra essa doença. Prasticas culturais, igualmente, devem ser preventivas, tais como boa adubação nitrogenada e manutenção do cafezal no limpo, além, se necessária, a irrigação. Matiello

Anexo: 
Município: 
Virginópolis
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Magno, diz ter um café  catuai, esqueletado ano passado. Ocorre em poucos pés.  Nós atendemos e vimos a foto. Consideramos que poderiam ser 2 causas. A primeira, mais provável, uma queima dos ramos novos por um adubo (sal) aplicado em dia de chuva e que tenha atingido os ramos e folhas e ali provocado queimas. A segunda, menos provável, por sua região, seria a ocorrência de uma bactéria, a Pseudomonas. Ela é pouco provável por ser uma doença de locais bem altos e frios e, especialmente, mais ao Sul das zonas cafeeiras, no Paraná, SP, Sul de MG. Matiello

Município: 
São Luis
Estado: 
MA

 

Resposta:

Senhora Ana, diz ter a  dosagem de um herbicida por Ha (1,5l/ha) e a outra informação é - Aplicação terrestre: 150 - 300 L/ha. Como vou saber quantos ml usar numa bomba de 20l, por favor me ajudem. Nós atendemos dizendo que, dependendo do bico que usa  no pulverizador vai ter vazões diferentes. Então tendo o bico pode fazer uma experiência pra saber qual a área que trata com um pulverizador. Normalmente, com bico 110-02 um pulverizador trata cerca de  uns 600 m2, nesse caso vai gatar 16,5 pulverizadores por aha. Então divida a dose de 1,5 l por 16, 5, teria 91 ml por bomba de 20 litros. Matiello

Município: 
Andradas
Estado: 
MG
Caso possa reduzir o efeito dos fungicidas o ideal seria fazer um pulverização só com ós micronutrientes fe, b, zn mn?

 

Resposta:

Senhor João, pergunta se é  verdade ou mito que se na pulverização com fungicidas tipo opera,priori xtra ouguapo se for adicionado os micros nutrientes junto na calda reduzia eficiência do fungicida. Nós atendemos dizendo que os ensaios que temos feito não indicam essa redução de eficiência. Apenas no caso do zinco e para os produtos com cyproconazole, é que a empresa não indica o uso de sulfatos, pois, segundo eles, pode cristalizar o triazól. Matiello   

Município: 
Patrocínio
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Rogerio, diz que  estava fazendo algumas pesquisas e encontrei alguns resultados interessantes, minha pergunta é o seguinte: Porque não usar produtos a base de fipronil para o controle da broca do cafeeiro tendo em vista que sua eficiência de controle pode chegar até 98% na dose de 125 g/ha por exemplo de Regente e com um custo neste caso de R$ 50,00/ha? Os produtos disponíveis hoje no mercado não tem boa eficiência de controle e são extremamente caros, acho até que as empresas exploram do produtor, pois os custos de controle pode chegar até R$ 1000,00/ha. Nós atendemos dizendo, que de fato o Fipronil é muito eficiente contra a broca, talvez o único, até o momento, que se pode comparar ao Endossulfan, este retirado de mercado. O corre que o produto é muito ativo contra abelhas, de forma que não é liberado e/ou registrado para o uso em pulverização na folhagem, apenas como cupinicida, formicida etc, em aplicações localizadas, no solo. Matiello

 

Município: 
Campestre
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Adelberf, diz que gostaria de saber se na aplicação de fungicidas de solo via "drench" pode-se reduzir a água e aumentar a dose do fungicida/inseticida na mesma proporção visando facilitar a logística de aplicação?Aproveitando a oportunidade gostaria de saber também se posso adicionar ureia a calda fúngica visando aproveitar a aplicação do fungicida/inseticida para adicionar um pouco de nitrogênio. Nós atendemos dizendo que não é possível reduzir muito a calda, pra menos de 50 ml por planta, pois essa calda é que permite uma melhor distribuição do produto em uma faixa, atingindo melhor o sistema radicular das plantas. Sobre uso simultâneo de uréia na calda não vemos problemas porem como o N é um macro-nutriente, as doses usadas seriam muito pequenas em relação à necessidade das plantas. O que se tem usado, normalmente, é a aplicação simultânea de boro. Matiello

Anexo: 
Município: 
Simonésia
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor José, diz ser  da região de Simonésia-MG e de uns tempo para cá está com uma infestação muito grande de uma larva aqui em minha lavoura. Gostaria de saber qual é este inseto e se é considerado uma praga do cafeeiro como o berne e cigarra. Nós atendemos dizendo que certamente não é uma praga do cafeeiro. Primeiro por que as pragas que atacam o sistema radicular do cafeeiro fariam furos mais próximos ao tronco. Segundo é que temos visto em outras áreas este inseto tratando-se de larva de besouro, conhecida como coró das pastagens. Ela se alimenta de material orgânico que arrasta pro fundo do buraco que faz. Matiello

Município: 
Pedregulho
Estado: 
SP

 

Resposta:

Senhor Diego, diz ter  uma lavoura com 80 dias de plantada, em que algumas mudas, principalmente, em dias seguidos sem chuva e com sol forte, secam subitamente, as plantas apresentam o caule com defeitos na casca do tronquinho, percebe-se que o tronco abaixo deste defeito está mais fino que na parte de cima. Está ocorrendo em duas áreas principalmente, com aproximadamente 30% de mudas com problemas. Nós atendemos dizendo que este engrossamento da casca do  caule é devido ao acumulo de reservas que não conseguem descer, pois a zona abaixo da casca, em baixo, está danificada e, assim, interrompe o fluxo.  Então o problema não está na casa engrossada, mas sim na lesão que deu origem a ela. Esta lesão, junto ao solo pode ser devida a algumas causas, as quais o senhor deve verificar, na sua situação, qual delas está sendo a verdadeira, observando os fatores que possivelmente existiram na sua área de plantio. A primeira causa seria lesão por vento, com atrito da planta novimha no solo, formando a lesão. Voce deve ver se existe vento constante e se existe a formação de um tipo de orifício ou um oco na terra, junto à muda. A outra possibilidade são lesões que vieram do viveiro, como de Rizoctoniose, Ascochyta ou Pseudomonas. Pode ocorrer ainda uma lesão por calor, mais frequente em solo arenoso e plantios mais fundos. Do que sabemos é isso. Poderia, com pouca probabilidade, ocorrer ataque de algum tipo de lagarta, porem isto tem sido pouco comum. Matiello

Município: 
Durandé
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Ezequiel, depois do fungo da fusariose estar instalado dentro do tecido do tronco dos cafeeiros não existe tratamento com produto químico. Ao iniciar, caso atinja mais uma parte superior da planta, efetuando um corte abaixo, de forma a eliminar a parte entupida pelo fungo,  pode ser que a planta volte a brotar e dure mais um tempo. Matielllo

Anexo: 
Município: 
Virginópolis
Estado: 
MG
Café plantado final de novembro. Catuaí 144. Está com pouca folha, apesar do tempo de muito sol que passou. Adubação de solo com super simples e calcário. Em cobertura uma de sulfato de amônio e outra com 20/05/20 tendo N em nitrato. Uma pulverização com ópera e multisais.

 

Resposta:

Senhor Magno, diz que tem  notado uma manchas pretas nas folhas novas de mudas de café. PARECE SER uma queima por pulverização, mas ter quase certeza que não é. O que pode ser

Café plantado final de novembro. Catuaí 144. Está com pouca folha, apesar do tempo de muito sol que passou. Adubação de solo com super simples e calcário. Em cobertura uma de sulfato de amônio e outra com 20/05/20 tendo N em nitrato. Uma pulverização com ópera e multisais. Nós atendemos dizendo que é difícil acertar com precisão do que se trata. Pode-se ver, pela foto que a muda não apresenta grandes problemas, apnas folhas um pouco travadas e , como disse um tipo de queima. Poderia sim ser algum tipo de efeito físico. Ou por calda concentradas e, no caso do ópera, dependendo da dose, há um travamento, passageiro, das folhas novas. Caso seja uma área com muito vento, poderia também ser um efeito de lesão por esse efeito físico ou mecânico. Matiello

Município: 
Campestre
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Adelber, diz que gostaria de saber se em uma brota de quatro meses de recepa baixa com replantas de 60 dias posso usar o fungicida/inceticida "Prático". Se sim qual a dose. Nós atenemos dizendo que sim, pode. Nesse caso além de eventual controle de pragas e doenças pode ativar o sistema radicular do cafeeiro recepado. Nas plantas recepadas pode usar uma dose um pouco mais do que nas replantas, podendo ser uma dose cerca de 30-40 % da dose usual na lavoura adulta. Deste mod o poderia ser cerca de 1 l por há nas replantas e 1,2 L por há nas plantas recepadas. Veja que o efeito tonico é tanto maior quanto maior for a dose. Caso não consiga ai fazer uma dose diferenciada pode optar pela dose menor. Matiello

Município: 
Virginópolis
Estado: 
MG
Quero usar bico comum do pulverizador costal, jato em cone.

 

Resposta:

Senhor Magno, diz que gostaria de saber a dosagem do actara em mudas de café com dois meses de campo, em controle de cochonilha da raiz. Diz querer  usar bico comum do pulverizador costal, jato em cone. Nós atendemos dizendo que a dosagem de Actara pro controle de cochonilha de raiz em lavoura adulta é de 1,2 kg por há. Para plantas jovens, na sua proteção, não existe discriminação em bula, porem, pela pouca área a ser tratada, creio que se possa usar uns 30% da dose de lavoura adulta, sem problemas, pois existe pouca possibilidade de fito-toxidez, ao contrário, o produto tem, até, um efeito de melhorar o desenvolvimento das plantas. Use o produto em bastante água, pra que haja bom molhamento e penetração no solo,  junto ao colo das plantas. Matiello

Município: 
Alta floresta
Estado: 
RO

 

Resposta:

Senhora Rosineide, creio que ai em Alta Floresta D’Oeste, em RO, creio que deve plantar o café robusta o conillon. Várias são as causas de murcha ou de folhas que pendem pra baixo e os pés tombam. Fica difícil apontar o que realmente ocorre sem contar com uma foto das plantas. Caso possa nos envie umas fotos. Agora podemos tentar ajudar enumerando as causas. Pode ser problema de raízes ruins da planta, pode ser efeito de ventos em mudas plantadas grandes, pode ser deficiência nutricional, especialmente de fósforo e cobre. Matiello

Município: 
Lambari
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Danial, pode sim usar o priori xtra caso tenha ai em estoque, apesar de não ser especifico pra cercosporiose. O que vai atuar nesse caso é a estrobilurina presente nessa formulação, a azoxistrobina(comercial  Amistar ). O ideal seria usar uma combinação de uma estrobilurina, como o próprio Amistar, o Comet e outros, com um fungicida cúprico. Matiello

Município: 
Campestre
Estado: 
MG
Gostaria de saber se em áreas de cafeicultura de montanha onde a pulverização para controle da ferrugem é impraticável pode-se aplicar via drench uma mistura de inseticidas e fungicidas em novembro e repetir a aplicação em finais de janeiro ou fevereiro somente com o fungicida flutriafol pode ser uma opção para o controle da ferrugem?

 

Resposta:

Senhor Adelber, diz que gostaria de saber se em áreas de cafeicultura de montanha onde a pulverização para controle da ferrugem é impraticável pode-se aplicar via drench uma mistura de inseticidas e fungicidas em novembro e repetir a aplicação em finais de janeiro ou fevereiro somente com o fungicida flutriafol pode ser uma opção para o controle da ferrugem. Nós, em experimento nesse sentido, evidenciamos que 2 doses realmente melhoram um pouco o controle mas não totalmente, conforme o desejado., Isto por que a complementação foliar coloca outro ativo fungicida, a estrobilurina, pra combater fungos resistentes aos triazóis. Deste modo, por enquanto, com os dados disponíveis, pode-se dizer que a aplicação ou complementação foliar ainda é imprescindível. Matiello

Município: 
Iraí de Minas
Estado: 
MG
Ataque severo e intensa disseminação para outras plantas ainda não atacadas, o que fazer?

 

Resposta:

Senhor Marcos,  pergunta como  fazer para controlar a mancha aureolada em cafeeiro recém plantado e de ano, área acima de 1000 m e ventos constantes, qual o tratamento mais eficiente e épocas de aplicação.  Ataque  severo e intensa disseminação para outras plantas ainda não atacadas, o que fazer. Nós atendemos dizendo que de fato, é difícil controlar a Pseudomonas no campo. Primeiro deve ver se as mudas não estão indo contaminadas do viveiro, nesse caso não deve plantar este tipo de muda. No campo fazer renques quebra-ventos , com crotalaria ou milho. Deve, ainda, ir cortando e levando pra fora da área as partes atacadas, com isso diminuindo o inóculo. Deve fazer pulverizações, umas 3-4 quinzenais, com fungicida cúprico mais Kasumin, à razão de 0,5% mais 0,3%. Pode agregar, ainda supersimples à razão de 1%. Matiello

 

Anexo: 
Município: 
Piedade de Caratinga
Estado: 
MG
Tenho aqui uma lavoura nova 3.200 covas plantada em uma área onde foi eucalipto e banana apareceu de um tempo para cá um sintoma escuro no caule e a copa das plantas está murchando e quebrando...está assim em toda área. O que pode ser?

 

Resposta:

Senhor Zé Maria. Diz ter  uma lavoura nova 3.200 covas plantada em uma área onde foi eucalipto e banana . Ali apareceu, de um tempo para cá, um sintoma escuro no caule e a copa das plantas está murchando e quebrando...está assim em toda área. O que pode ser. Nós atendemos dizendo que vimos as fotos e de fato as lesões do caule é que estão provocando a quebra e morte da parte superior. Já vcimos isto ocorrer em poucas plantas uma ou outra apenas. Vimos, também, que logo a planta volta a brotar e segue normalmente, não sendo uma doença que afeta a parte baixa. Suspeitamos que se trata de uma queima física ou mecânica, pois não se evidencia nenhum fungo ou micro-organismo ou inseto que esteja relacionado a isso. Poderia ser uma queima por um adubo que fica grudado naquela parte do tronco ainda verdoengo ou outro tipo de dano físico ou mecânico. Verifique ai o que foi usado ou o que foi feito nesse particular, ultimamente. Matiello

Município: 
JACUTINGA
Estado: 
MG
Boa tarde, ouvi em uma palestra que os piretroides, não encapsulados, tem uma ação mais desalojante do que o enxofre, isso procede?

 

Resposta:

Senhor Marcos, no caso de pragas do cafeeiro não temos visto efeito desalojante dos piretróides. Existem trabalhos que mostram efeito desalojante em pragas domésticas (mosquitos, baratas). Matiello

Município: 
Monte Belo
Estado: 
MG

 

Resposta:

Sr Sergio, pode sim e a dose deve ser de cerca de 10-15% em relação à dose normal pra lavoura adulta, que é de 1 kg por há. Poderia, assim, usar umas 150 g por há de lavoura novinha. Matiello

Município: 
Boa Esperança
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Maciel, para uma lavoura de 10 meses pode usar cerca de 1/3 da dose normal, que é de 1 kg por há. Então usaria umas 300 g por hectare. Vamos dizer que tem 5000 plantas num hectare e vai aplicar uns 30 ml de calda por planta, então gastaria 150 l de calda por há, ou seja 7,5 bombas costais de 20 l cada. As trezentas gramas seriam divididas por 7,5 bombas, assim ficando  40 g por bomba. Matiello

Município: 
Monte belo
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Gervásio, o uso do fungicida mal não faz, mas custa. Primeiro deve ver pra que vai usar., o que pretende controlar. O produto é indicado mais pro controle de Phoma. Normalmente no café novo a incidência dessa doença é menor. De todo modo o produto tem algum efeito tonico sobre as plantas. O ideal seria usar umas 2-3 vezes no ano. Matiello

Município: 
Tres Corações
Estado: 
MG
Possuo uma area de café de diversas idades, e que apresentou uma excepcional florada. Variedades diversas, desde Mundo Novo, Catucai e Rubi. Gostaria de dar preferncia para produtos mais tradiconais e de custo baixo, mas que apresentem um resultado satisfatório no controle e prevenção. Estive afastado por 15 anos da atividade cafeeira, mas estou entrando novamente no ramo, e estou meio desatualizado a respeito de novos produtos e manejo. Sou da época do Baysiston, Altomix, Oxicloreto de Cobre, Alto 100 e Opus; que na época eram muito bons no controle. Procafé, podem me recomendar o que fazer atualmente, com doses e nomes de produtos? Muito obrigado.

 

Resposta:

Senhor José, diz possuir  área de café de diversas idades, e que apresentou uma excepcional florada. Variedades diversas, desde Mundo Novo, Catucai e Rubi. Gostaria de dar preferencia para produtos mais tradicionais e de custo baixo, mas que apresentem um resultado satisfatório no controle e prevenção. Estive afastado por 15 anos da atividade cafeeira, mas estou entrando novamente no ramo, e estou meio desatualizado a respeito de novos produtos e manejo. Sou da época do Baysiston, Altomix, Oxicloreto de Cobre, Alto 100 e Opus; que na época eram muito bons no controle. Procafé, podem me recomendar o que fazer atualmente, com doses e nomes de produtos?  Nós atendemos dizendo que o controle mais indicado hoje em dia é a aplicação de um produto de solo, de efeito mais tônico, seja formulação de triazól mais neonicotinóides, como Verdadeiro, Premier plus, Pratico e outros, ou apenas um produto triazol, como o Flutriafol, caso não tenha problema de pragas. Isto em novembro. Depois complementar com 2-3 aplicações, de dezembro  a abril via foliar de uma formulação contendo triazol mais estrobilurina ( Priori-xtra, Sphere Max, Aproach prima, ópera, etc). Pode, ainda, agregar, em 2 aplicações a essa calda, uns 2 kg /há de um fungicida cúprico. Aí o senhor pode verificar no comércio, dentreo dessa orientação os produtos mais em conta.

Município: 
Sitio Grupiara - Franca- S.P
Estado: 
SP
Gostaria de saber se pode usar inseticida/fungicida ( Premier Plus ou Verdadeiro) via água de irrigação.

 

Resposta:

Senhor Tácito, pode sim, caso seja gotejamento ou pivô lepa, que coloca os produtos localizados. Deve-se tomar cuidado com animais e empregados pra que durante a injeção dos produtos não venham a tomar a água da irrigação, o que podem fazer inadvertidamente. Matiello

Município: 
Santa Rita de Caldas
Estado: 
MG
Em uma área de café esqueletado vindo de safra zero onde estou fazendo a colheita nesse momento percebi grande infestação de conxunilias nos pés dá vara mais no centro do pé de café, parece não prejudica, mais tem muito. O que fazer pra controlar isso?

 

Resposta:

Senhor André, diz que em uma área de café esqueletado vindo de safra zero onde está fazendo a colheita nesse momento percebeu  grande infestação de cochonilhas nos pés dá vara mais no centro do pé de café, parece não prejudica, mais tem muito. Pergunta o que fazer pra controlar isso. Nós atendemos dizendo que as cochonilhas quando não em grau de infestação severo, podem ser controladas, naturalmente, por seus inimigos naturais. Caso haja problemas pode usar produtos à base de clorpirifós, à razão de 2 L por 400 l dágua, aplicando com bastante volume de calda, pra molhar bem dentro do pé de café. Matiello

Município: 
Guaçui
Estado: 
ES

 

Resposta:

Senhor Estevão, ultimamente temos visto cercosporiose tardia sim, ocorrendo no inverno. As causas são o próprio clima e o stress das plantas, pois a adubação nitrogenada ficou muito lá atrás e, com certeza, ou foi aproveitada ou lavada pelas chuvas. Como ocorrem novos pares de folhas e a planta não tem mais nutrientes no solo, e, especialmente, nas áreas que deram carga, ou, mesmo, em folhas novas de plantas sem carga, elas ficam muito susceptíveis a essa doença. Deste modo aconselha-se uma aplicação foliar protetiva incluindo uma estrobilurina mais cobre. Matiello

Município: 
Ibiá
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Luan, diz que está  com uma lavoura que não deu carga esse ano. Foram  realizadas as aplicações em novembro e fevereiro de 750ml/ha de priori xtra. Mas atualmente a lavoura está infestada de ferrugem. Qual o produto mais indicado. Nós atendemos, primeiro dizendo qual a causa dessa elevada infecção pela ferrugem, pra não cometer o erro novamente. Ela é o término das aplicações muito cedo, em fevereiro quando o indicado é em abril, pois a doença evolui tardiamente.  Agora, o senhor pode, de forma curtativa, ou usar o mesmo produto em dose elevada(1 L) ou o Ópera, também na dose mais alta, de 1,5 l ou, mesmo o Alto 100, caso encontre no mercado. Matiello.

Município: 
Lajinha
Estado: 
MG
Boa tarde a três anos atrás fiz uma recepa ano passado tive a primeira catação,já esse ano tive uma safra mais elevada nessa área porém foi atacado pela mancha aureolada que acabou desfolhando e secando as varetas.Gostaria de saber se é melhor escaletala ou deixa la do jeito que está e em ambos os casos fazer a aplicação do KASUMIN. Desde já agradeço e aguardo para que eu possa tomar a decisão mais correta nesse caso.

 

Resposta:

Senhor Rafael, diz que  fez  uma recepa e ano passado teve  a primeira catação,já esse ano teve safra mais elevada porém foi atacado pela mancha aureolada que acabou desfolhando e secando as varetas. Gostaria de saber se é melhor esqueletar  ou deixar do jeito que está e se  em ambos os casos fazer a aplicação do KASUMIN.  Nós atendemos dizendo que o ataque de Pseudomonas não, é, em si, causa para podas, pois nem todos os ramos e trodas as planta são atacadas e tem os ramos mortos. O motivo pro esqueletamento poderia, sim, ser uma safra muito alta e previsão de safra baixa em seguida, porem creio que não é seu caso, pois sua lavoura foi recepada faz pouco tempo. Nesse  caso, se a lavoura estiver com ramagem normal, mesmo um pouco desfolhada, a brotação desses ramos se dará , com o retorno das chuvas, havendo morte de pontas, na forma de um esqueletamento seletivo e natural. Sobre o tratamento de Pseudomonas, incluir um fungicida/bactericida cúprico junto com o Kasumin. Matiello

Município: 
Santa Rita de caldas
Estado: 
MG
O técnico dá revenda que faço as compras de produtos para aplicação no cafeeiro me deixou em dúvida, ele me disse pra deixar de usar o fungicida comet e passar a usar o orkestra em seu lugar nas minhas aplicações. O que a fundação me fala sobre essa informação? Faço as seguintes aplicações nas minhas plantações para poder ajudar a responder a pergunta. 2 aplicação pós colheita é pre florada de tutor e cantus. 1 aplicação pós colheita de tutor, cantus e comet. 3 aplicação de controle de ferrugem e cercospera de ópera, tutor e comet. Seria vantajoso trocar o comet pelo orkestra no meu caso?

 

Resposta:

Senhor André, diz que o técnico dá revenda me disse pra deixar de usar o fungicida comet e passar a usar o orkestra em seu lugar nas minhas aplicações. O que a fundação me fala sobre essa informação? Faço as seguintes aplicações nas minhas plantações para poder ajudar a responder a pergunta. 2 aplicação pós colheita é pre florada de tutor e cantus. 1 aplicação pós colheita de tutor, cantus e comet. 3 aplicação de controle de ferrugem e cercospera de ópera, tutor e comet. Pergunta se seria vantajoso trocar o comet pelo orkestra no seu caso. Nós atendemos dizendo que agora não vemos grande vantagem na troca, mesmo por que o Orquestra possui o ativo do Comet na sua formulação. Também por que vem usando o Cantus, do mesmo grupo químico do Orkestra, uma carboxamida. A menos que haja preço menor, por enquanto, não precisa trocar, pois os produtos que vem usando permanecem indicados, isto a menos que venham a ser retirados de mercado. Matiello

 

Município: 
Santa Rita de caldas
Estado: 
MG
Tenho dúvidas em sobre o uso destes produtos, quais são as diferenças e vantagens e desvantagem de ambos?

 

Resposta:

Senhor André , diz ter  dúvidas sobre o uso destes produtos e indaga  quais são as diferenças e vantagens e desvantagem de ambos. Nós atendemos dizendo que os 2 produtos são parecidos. Ambos são à base de hidróxido de cobre. O Supera tem 537 g do hidróxido por litro e sua formulação é SC, Já o Tutor tem 690 g do hidróxido por Kg e sua formulação é WG. Este último, portanto, tem cerca de 16% a mais de cobre. Diferenças em formulação são muito pequenas no uso prático e não interferem na eficiência. Deste modo, ajustando doses e vendo a questão de preço, pode escolher um ou outro, o  melhor nessa condição. Matiello

Município: 
Franca
Estado: 
SP

 

Resposta:

Senhor Cleiton, a fusariose que conhecemos é a doença que entope os vsos do tronco dos cafeeiros, em plantas mais velhas. Essa doença é favorecida pela entrada do fungo através de ferimentos, nas raízes ou no tronco. A prevenção seria evitar o ataque de nematoides e reduzir, ao máximo as podas, inclusive a colheita mecanizada, pois as hastes da colhedeira também ferm o tronco, podendo transmitir e abrir portas de entrada para o Fusarium. Como pode ver é difícil deixar de fazer podas ou colheita mecanizada. Nesse caso, o controle, de forma prática,  passa a ser, somente,  substituir as plantas que adoecem e chegam a morrer. Matiello

Município: 
Santa Rita de Caldas
Estado: 
MG
Já estou terminando a colheita em alguns talhões, e gostaria de fazer um pós colheita para manter o vigor das plantas e controlar preventivamente algumas doenças que podem cortar produtividade para a próxima safra. Pensei em fazer a aplicação dos seguintes produtos comerciais, tutor,comer e o cantus, estou certo no meu modo de pensar ou preciso acrescentar mais alguma coisa?

 

Resposta:

Senhor André, diz que já está  terminando a colheita em alguns talhões, e gostaria de fazer um pós colheita, para manter o vigor das plantas e controlar preventivamente algumas doenças que podem cortar produtividade para a próxima safra. Pensou  em fazer a aplicação dos seguintes produtos comerciais - tutor, comer e o cantus. Pergunta se está  certo no seu modo de pensar ou precisa acrescentar algo. . Nós atendemos dizendo que os produtos são estes mesmo, pois abrangem controle tanto da Phoma, algo de cercosporiose tardia e, ainda, algo de Pseudomonas. A época pode ser esta mesmo, caso vá fazer nova aplicação na pré-florada, senão pode atrasar um pouco essa primeira aplicação. Pode aproveitar para a inclusão de micro-nutrientes, como o zinco e o boro. Matiello

Município: 
Batatais
Estado: 
SP
Não fiz aplicação preventiva em dezembro, apliquei a associação dos produtos em meados de abril, mas ainda observo esporulação em uma parte da lavoura. Dois técnicos me fizeram a afirmação sobre a aplicação exclusiva do Triazol, de preferência o epoxiconaz.

 

Resposta:

Senhor Aguinaldo, diz que não fiz aplicação preventiva em dezembro, aplicoui a associação dos produtos em meados de abril, mas ainda observa esporulação em uma parte da lavoura. Dois técnicos lhe fizeram a afirmação sobre a aplicação exclusiva do Triazol, de preferência o epoxiconazole. Nós atendemos dizendo que  isso não se pode afirmar, com certeza, pois não se sabe que raças da ferrugem se encontram no local. Veja, se existirem raças resistentes ao Triazol, o uso deste produto, isolado, não faria efeito. Ademais temos visto que a estrobilurina também tem efeito curativo. Deste modo, indicamos o uso da mistura dos 2 ativos fungicidas, dando garantia e eficiência à aplicação. Matiello

Município: 
Itirapua
Estado: 
SP
Gostaria de saber o que e, pois aparece em muitos pes de cafe, afetando muitos ramos, sendo que em todo ano e na mesma epoca de maio a junho isso ocorre dessa forma agressiva e como posso fazer o controle.

 

Resposta:

Senhor Marcio

Diz ter  uma propriedade a 1160m. cultivada com variedades catuai. e mundo novo. Diz que

Aparece uma seca de ramos(foto anexa), em muitos pés de cafe, afetando muitos ramos, sendo que todo ano na mesma época, de maio a junho, diz querer saber soibre o controle. Nós atendemos dizendo que pela foto não é possível precisar, exatamente, qual a causa. No entanto, vamos dizer quais as prováveis. Pode ser ataque da bactéria Pseudomonas, pode ser Phoma ou um desequilíbrio nutricional. Veja, ai, com um agrônomo da região, pois no caso da Pseudomonas os ramos secam, mesmo em sua partre lenhosa e as folhas apresentam lesões com manchas com uma aureola amarelada. Na phoma só morre e seca a parte terminal do ramo e no caso de distúrbio nutricional ocorre apenas nos ramos com boa carga de frutos. O Controle de Pseudomonas e Phoma é feito através de aplicações preventivas de fungicidas cúpricos e de outros específicos (Nativo, Cantus, Rovral e outros). No caso de desequilíbrio nutricional faça uma análise de solo e de folhas pra vero o que está faltando. Veja bem, antes, pra não usar aplicações sem conhecer bem a causa. Matiello

Município: 
Patrocínio
Estado: 
MG
Já foi aplicado na área Clorpirifós, Fipronil, Imidacloprid e Tiametoxan e o problema continua; de acordo com a umidade os percevejos estão momentaneamente mais superficialmente ou mais em profundidade.

 

Resposta:

Senhor Fábio,

Diz que está  com problema muito sério de ataque de percevejos em mudas de café plantadas em área remanescente de soja, as ninfas do mesmos estão sugando as raízes, levando as mudas à morte, perguntando  o que fazer para resolver tal problema. Diz, ainda, que  foi aplicado na área Clorpirifós, Fipronil, Imidacloprid e Tiametoxan e o problema continua; de acordo com a umidade os percevejos estão momentaneamente mais superficialmente ou mais em profundidade. Nós atendemos dizendo que o controle é realmente difícil e conhecido em outras culturas, onde se indica, mesmo, os produtos que utilizou. Nós tivemos, ano passado, um problema semelhante em uma área na Mogiana-SP e o controle associou a eliminação da braquiária, hospedeira do percevejo e uso de uma mistura de Actara mais fipronil. Veja com mais cuidado as  doses e o modo de aplicação mais em faixa e a umidade do solo. Matiello

Município: 
Campos Altos
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor João, Nós não temos visto nenhum tipo de incompatibilidade. O que temos observado, já bem conhecido, é que o uso de altas doses de produtos cupricos, via pulverização, tendem a aumentar o ataque de ácaros e de bicho mineiro. Matiello

 

Município: 
Andradas
Estado: 
MG
Gostaria de saber se posso fazer uma pulverização usando 1 litro de Impact mais 0,4 litro de Comet juntamente com 1 quilo de hidróxido de cobre e 0,5 litro de óleo mineral por 200 litros de água para controlar todos esses fungos com um custo de aproximadamente R$ 160,00 por tambor.

 

Resposta:

Senhor Alberto, diz que tem uma  lavouras de café na face sul e sudoeste, e tem tido problemas de ferrugem tardia, cercóspora e phoma em abril/maio.Gostaria de saber se pode fazer uma pulverização usando 1 litro de Impact mais 0,4 litro de Comet juntamente com 1 quilo de hidróxido de cobre e 0,5 litro de óleo mineral por 200 litros de água para controlar todos esses fungos com um custo de aproximadamente R$ 160,00 por tambor. Nós atendemos dizendo que pode sim, as doses estão adequadas, até um pouco acima, mas nessa época é bom. O único que alteraríamos seria o impact, a menos que já tenha o produto, pois o mesmo é mais indicado pra uso via solo, porem como vai combinar com comet e com cobre , assim fica melhor. Matiello

Município: 
Santa Margarida
Estado: 
MG
Tenho uma lavoura de café Catucaí que foi recepada aos 13 anos de idade. Agora após dois anos, com plantas já bastante desenvolvidas, algumas plantas estão morrendo subitamente. Começam a amarelar as folhas e murcham até morrer. Morrem espaçadamente nas linhas da lavoura, não ocorrendo reboleira. Também já verifiquei que não há incidência de insetos nas raízes nem nenhuma outra doença. Alguns consultores já foram da Roseliniose à falta de enraizamento como hipóteses para explicar o problema. Se vocês puderem me ajudar, creio que essa resposta possa ser útil para outros também, pois é um problema realmente difícil.

 

Resposta:

Senhor Rosalvo, diz que tem  uma lavoura de café Catucaí que foi recepada aos 13 anos de idade. Agora após dois anos, com plantas já bastante desenvolvidas, algumas plantas estão morrendo subitamente. Começam a amarelar as folhas e murcham até morrer. Morrem espaçadamente nas linhas da lavoura, não ocorrendo reboleira. Também já verifiquei que não há incidência de insetos nas raízes nem nenhuma outra doença. Alguns consultores já foram da roseliniose à falta de enraizamento como hipóteses para explicar o problema. Se vocês puderem me ajudar, creio que essa resposta possa ser útil para outros também, pois é um problema realmente difícil. Nós atendemos dizendo que nem roseliniose nem sistema radicular deficiente constituem a causa do seu problema. Tudo indica ser uma fusariose, doença que entope os vasos da planta, em cafeeiros velhos e depois de podados, pois a doença se transmite através do corte das plantas. Aí na zona da Mata de MG o problema tem ocorrido muito. O senhor pode cortar o lenho das plantas doentes e logo abaixo da casca vai encontrar os vasos do tecido lenhoso de cor marron avermelhada. A doença não tem controle, o único a fazer seria a replanta de plantas mortas. Matiello

Município: 
Lajinha
Estado: 
MG
Boa noite, venho tendo muitos problemas com a cercosporiose e esse ano mesmo com o clima favorável ou seja sem a ocorrência de seca mais uma vez em alguns talhões de café tive um ataque muito forte pela cercosporiose que irá me causar uma quebra de safra e de qualidade mesmo sendo bem tratados. Não sofreu no mato recebeu 3 adubações sendo a 1 e a 3 de 180 gramas de 20.00.10 e a 2 adubação de 200 gramas de 32.00.16, foi aplicado actara via solo e uma pulverização com priorixtra 4 litros por hectare.Então gostaria de saber o que pode ter ocorrido de errado e o que posso fazer para próxima safra não ter a ocorrência dessa doença novamente.

 

Resposta:

Senhor Juscelino, diz que vem tendo muitos problemas com a cercosporiose e esse ano mesmo com o clima favorável, ou seja, sem a ocorrência de seca mais uma vez em alguns talhões de café tive um ataque muito forte pela cercosporiose que irá me causar uma quebra de safra e de qualidade mesmo sendo bem tratados. Não sofreu no mato recebeu 3 adubações sendo a 1 e a 3 de 180 gramas de 20.00.10 e a 2 adubação de 200 gramas de 32.00.16, foi aplicado actara via solo e uma pulverização com priori-xtra 4 litros por hectare.Então gostaria de saber o que pode ter ocorrido de errado e o que posso fazer para próxima safra não ter a ocorrência dessa doença novamente. Nós atendemos dizendo que alem do NPK deve ver a questão de cálcio e magnésio, pra corrigir eventual de eficiência destes. Outra coisa muito importante na cercosporiose é a época de pulverização, devendo ser preventiva, começando cerca de 80dias pós-floração. Ainda os produtos adequados tem que ser combinados com fungicidas cúpricos ou aumentando a dose adicional de estrobilurina. Veja, ainda, o modo de adubação, pois alem da dose , pode estar havendo um mau aproveitamento de adubo, especialmente do N, quase sempre vindo da fonte ureia. Matiello

Município: 
Campestre
Estado: 
MG
Gostaria de saber se com o aumento da umidade durante a noite e inicio da manhã essas moléculas podem novamente ficar disponíveis e serem absorvidas pelas folhas de maneira eficaz. Desde já agradeço o espaço.

 

Resposta:

Senhor Adelber, pergunta se é comprovado ,cientificamente, que pulverizações realizadas sob altas temperaturas ou com a umidade relativa do ar muito baixa, provocam a rápida evaporação da água e a cristalização das moléculas sobre a superfície aplicada. Ainda pede informações se  com o aumento da umidade, durante a noite e inicio da manhã, essas moléculas podem novamente ficar disponíveis e serem absorvidas pelas folhas de maneira eficaz. Nós atendemos dizendo que sim, com altas temperaturas e UR do ar baixa, o problema primeiro é de evaporação de parte das gotas, assim não atingindo bem a superfície foliar aplicada. O fenômeno cristalização não diríamos que ocorre sempre , pois muitas substâncias aplicadas se solidificam sem cristalizar, ou seja, formar cristais. De qualquer modo, numa primeira fase ocorre uma absorção ativa, pelos tecidos das folhas, logicamente enquanto houver estado líquido e quanto mais rápida a evaporação menor seria a absorção. Por outro lado, em ensaio feito com micro-nutrientes, zinco e boro (Sulfato e ácido bórico) e depois simulamos orvalho houve  re-absorção adicional dos nutrientes, avaliados por análise dos tecidos foliares. Matiello

 

 

Anexo: 
Município: 
Piumhi
Estado: 
MG
Boa tarde!/!! Estou com problema num talhão, onde está morrendo algumas plantas numa reboleira, porém ela está aumentando. Foi feito a retirada das plantas mortas e colocado cal virgem na área. Foi realizado o replantio esse ano e as plantas novas já estão morrendo também. Tenho mais fotos para enviar. Tem alguma análise laboratorial que pode ser realizada?

 

Resposta:

Senhor João, diz estar  com problema num talhão, onde estão morrendo algumas plantas numa reboleira, porém ela está aumentando. Foi feito a retirada das plantas mortas e colocado cal virgem na área. Foi realizado o replantio esse ano e as plantas novas já estão morrendo também. Tenho mais fotos para enviar. Tem alguma análise laboratorial que pode ser realizada. Nós atendemos dizendo que, provavelmente, se trata de um foco de roseliniose. Cujo fungo tem suas estruturas caminhando pelo solo. A análise pode ser feita visualmente. Quando cortar junto às raízes grossas em plantas que ainda estão amareladas, sem secar, aparece um micélio branco. Logo abaixo da casca, junto ao colo da planta e junto à raiz principal, podem ser encontradas rizomorfas e pontuações escuras no lenho. A melhor solução é o que fez, porem deixar um tempo pra plantar novamente. Melhor ainda seria fazer uma vala, de uns 30-40 cm de profundidade cercando a área afetada, com uma sobra lateral pequena, por segurança. Deste modo o fungo não consegue se alastrar na área. Matiello

Município: 
Campestre
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Adelber, a decomposição de produtos que permanecem na calda pode existir sim, dependendo do produto. No caso de sais, como ácido bórico, sulfato de zinco, oxicloreto/hidróxido de cobre não ocorrem problemas. Alguns inseticidas e fungicidas de outros grupos podem sim ter problemas pois se decompõem e perdem seu efeito. Em calda com o herbicida glifosato, em se tratando de água limpa, pode ficar de um dia pro outro sim. Matiello

Município: 
Boa Esperança
Estado: 
MG
Continuando o questionamento sobre nematoides, feito anteriormente. Providenciei uma analise no laboratório da UFLA. Segue anexo o laudo, que ao que me parece constatou a presença de nematoides. E agora como deveria proceder???

 

Resposta:

Senhor Paulo, diz que quer continuar o questionamento sobre nematoides, feito anteriormente, quando detectou o problema de morte de cafeeiros jovens. Diz que providenciou uma analise no laboratório da UFLA. Envia o  laudo, que constatou a presença de nematoides. Pergunta como proceder. Nós atendemos dizendo que as espécies constatadas não possuem dados de prejuízos em cafeeiros. Eles são das espécies Helicotylenchus, Aphelenchoides e Tetylenchus, sendo que as espécies identificadas com prejuízos em cafeeiros são Meloydogyne(exígua, incógnita e paranaensis). Deste modo, até prova cientifica nova, os nematoides constatados devem viver lá sem estar prejudicando significativamente os cafeeiros, especialmente em relação ao problema de morte de plantas jovens. Assim, não indicamos nenhum tipo de controle, com base no que hoje conhecemos das pesquisas. Matiello 

Município: 
Boa Esperanca
Estado: 
MG
Em uma lavoura de 13 meses da cultivar mundo novo (47../4). Algumas plantas tem apresentado amarelecimento agudo e ate mesmo morte. Arrancando algumas dessas plantas,identificamos bifurcação de raízes,coloração escura na parte interna do caule, algumas larvinnhas entre a casca e ate mesmo penetradas no caule,caso sejam nematoides qual o método de controle químico mais eficaz??Seguem algumas fotos anexas!!!

 

Resposta:

Senhor Paulo, diz que em  uma lavoura de 13 meses,  da cultivar mundo novo, algumas plantas tem apresentado amarelecimento agudo e até mesmo morte. Arrancando algumas dessas plantas, foi identificada bifurcação de raízes, coloração escura na parte interna do caule, algumas larvinnhas entre a casca e ate mesmo penetradas no caule. Caso sejam nematoides qual o método de controle químico mais eficaz. Segue  foto anexa. Nós atendemos dizendo que muito provavelmente não se trata de nematoides. Nossa afirmação é por que na sua região ainda não tem constatação de nematoides das espécies M. incognita ou M. paranaensis, as que provocam danos graves como mostrou.  Alem disso, caso fosse nematoide a ocorrência seria mais em reboleira, não em plantas salteadas. Tudo indica que o amarelecimento e morte de plantas se deva ao sistema radicular deficiente, como, aliás  relata que viu raízes bifurada, com poucas secundárias e, provavelmente, superficiais..As larvas que viu no tronco são de alguns insetos que atuam depois do tecido morto, ou seja, são saprófitas. As larvas de nematoide normalmente não podem ser vistas a olho nu. Procure razões do problema na origem das mudas, com poucas raízes e tortas ou no plantio mal feito . Matiello

Município: 
Batatais
Estado: 
SP
Isso aumenta o efeito dp controle ou causa alguma reaçao

 

Resposta:

Senhor João, apesar do fungicida à base de flutriafol ser mais indicado pra uso via solo, ele também pode ser usado em pulverização, como deseja, e sua combinação com fungicida à base de cobre não apresenta problemas, só ajuda, combinando controle da ferrugem, cercosporiose e mancha aureolada. Matiello

Município: 
Carmo do Rio Claro
Estado: 
MG
Muda recém plantada e estava tombada.

 

Resposta:

Senhor Daniel, fica difícil a gente acertar com apenas a foto. No entanto, tudo indica ser mesmo rizoctoniose tardia. Pra ter uma pista melhor, você deve observar o histórico das mudas, ou seja, ver se a doença ocorreu no viveiro.. O tombamento de mudas pode ser, também , provocado por lesões por vento e o tipo de lesão mostrado pode, ainda, ser de origem mecânica, um ferimento por enxada, inseto roedor etc. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
SOUBE POR UM COLEGA, UM TRATAMENTO DE COBRE COM MACOZEB, DE MOLHO,MAIS SUPER SIMPLES NA RAZAO DE 3% NA CALDA, SERÁ QUE FUNCIONA PRA MANCHA AUREOLADA?

 

Resposta:

Senhor Antonio, diz que soube, por um colega, dum tratamento de cobre com mancozeb, de molho,mais super simples na razão de 3% na calda, será que funciona pra mancha aureolada. Nós atendemos dizendo que no caso da mistura de cobre com mancozeb esse tratamento é tradicional pra bacteriose em tomateiros, sendo que para cafezais não existem pesquisas. Quanto ao superfosfato existe a recomendação, pra inclusão tendo em vista que o flúor presente nele é, também, bactericida. Ultimamente temos visto, ainda sem comprovação que existe uma relação entre plantas mais fracas, aparentemente com sintomas de deficiência de P e maior ataque de Pseudomonas. Matiello

 

Município: 
Campos Atos
Estado: 
MG
Há uma gama de adjuvantes para caldas de pulverização disponíveis no mercado; óleos minerais, vegetais, siliconado, dentre outros. Gostaria de saber a diferença e a melhor aplicabilidade de cada um.

 

Resposta:

Senhor João Paulo, diz que há uma gama de adjuvantes para caldas de pulverização disponíveis no mercado; óleos minerais, vegetais, siliconado, dentre outros. Gostaria de saber a diferença e a melhor aplicabilidade de cada um. Nós atendemos dizendo que 2 grupos básicos de adjuvantes podem ser empregados. Os óleos, estes quando os produtos usados assim recomendam, como ocorre para alguns herbicidas e fungicidas, estes ajudam na penetração dos ativos nas folhas. O outro tipo, muito bom, são os siliconados, estes aumentam a superfície de contato das gotas com aas folhas, melhorando a cobertura e a absorção. Outros como corretores depH etc, poderiam ser usados só em casos especiais de águas alcalinas. Matiello

Município: 
Sao Sebastiao Da Grama
Estado: 
SP

 

Resposta:

Senhor Daniel, pela foto enviada onde aparecem ranhuras em frutos, o que sabemos, atualmente, que se trata de ferimentos iniciais por ácaros, nos frutos mis novos que deixam essas marcas nos frutos. Cremos que nada têm a ver com as chuvas, pois, normalmente, a população de ácaros diminue com as chuvas. Matiello

Município: 
Mutun
Estado: 
MG
comprei um sítio no município de mutun mg para plantio de café arábica já existia algu s pés de café nos quais foram recepados lavoura de 6 anos porém abandonada.A brotacão saiu bonita porem muitos estão murchando e morrendo.Existe plantação de eucalipto entorno da lavoura

 

Resposta:

Senhor Oliveira, diz que comprou  um sítio no município de Mutun MG para plantio de café arábica já existia alguns pés de café nos quais foram recepados . Lavoura de 6 anos porém abandonada.A brotacão saiu bonita porem muitos estão murchando e morrendo.Existe plantação de eucalipto entorno da lavoura. Nós atendemos dizendo que a brotação está murchando e, provavelmente vai morrer, em certas plantas, devido ou a um sistema radicular deficiente, ou por efeito de entupimento do caule, por uma doença que se chama fusariose. A primeira causa deve ser a provável, pois a lavoura, como diz, é ainda nova(6anos)

Município: 
Juruaia
Estado: 
MG

 

Resposta:

Sr Celso, ultimamente tem sido dificil combater a broca pois os inseticidas atuais estão menos eficientes que aquele retirado do mercado. Como não quer usar agrotóxicos deve usar praticas de colheita muito bem feita, não deixando frutos na árvore ou no chão de um ano pra outro, manter lavouras podadas e, eventualmente, aplicar produtos naturais como a base de Beauveria (Bovemax) e óleo de neen. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
BOA TARDE, JA VI OPINIOES DIFERENTES SOBRE ISSO, ALGUNS FALAM QUE ESTABILIZA AS MOLECULAS E MELHORA O EFEITO BACTERICIDA, E APLICADO JUNTO COM UMA SOLUÇÃO BACTERICIDA (FEGATEX, BIOPRIME, RESISTENCE BAC F) TEM O EFEITO DE CHOQUE COM A MESMA, E UM EFEITO RESIDUAL COM O MANCOZEB E COBRE, ISSO É REALMENTE EFICIENTE?

 

Resposta:

Senhor Antonio,

Diz que viu  opiniões diferentes sobre isso, alguns falam que estabiliza as moléculas e melhora o efeito bactericida. Em aplicações  junto com uma solução bactericida (fegatex, bioprime, resistence bac f) tem o efeito de choque com a mesma, e um efeito residual com o mancozeb e cobre. Pergunta se isso  é realmente eficiente. Nós atendemos dizendo que o mancozeb mais um fungicida cúprico, em mistura prévia, é tido como  mais eficiente em bacteriose em tomateiros, porem reduz sua eficiência em aplicação contra Xantomonas em citrus.

 No cafeeiro isso não foi objeto de pesquisa  e, assim, muita gente só tem usado o cobre, que tem efeito fungicida e bacteriostático  contra Pseudomonas. Os demais produtos que cita tem, ainda, poucos estudos, com resultados  iniciais, como disse, com efeito desinfetante, com residual curto. Da mesma forma não se em dados  sobre seu efeito combinado com os fungicidas cúpricos e o mancozeb. Matiello

Município: 
Santa Rita de Caldas
Estado: 
MG
acho que esse produto mto bom, e parece que ajuda a desenvolver mais os ramos do cafe, gostaria de saber se posso usalo em todas as aplicaçao foliar?

 

Resposta:

Senhor Luiz, pergunta se pode usar o fungicida Comet em todas as aplicações foliares, pois acha que  esse produto é  bom, e parece que ajuda a desenvolver mais os ramos do café. Nós atendemos dizendo que pode sim usar, pois ,como disse ,ele tem um bom efeito tônico, ativando a fotossíntese das plantas e reduzindo seu stress. Ele pode ser usado no programa de pulverizações da lavoura, sendo eficiente no controle da ferrugem, da cercosporiose e da Phoma. Matiello

Município: 
Cristais
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Pedro,

A foto que enviou mostra planta nova com ataque de cercospora, tendo a mesma folhas amareladas, neste caso, ficando evidente tratar-se de indução da doença por deficiência nutricional. As folhas amareladas/pálidas do topo da planta indicam que nesse local não caiu o suficiente de adubo fosfatado e a planta, nessas condições é mais atacada por cercospora negra. Para melhorar aplique um pouco de MAP em cada planta e se puder enterrar melhor, na base de umas 100 g /PL. Aplique, pra ir controlando, em pulverização, enquanto o adubo não controla a deficiência nutricional, uma mistura de fungicida cúprico com um fungicida estrobilurina, pode ser um hidróxido ou óxido ou oxicloreto de cobre, na base de uns 2kg/400 L dágua e um produto como Comet (600 ml/400 L ou Amistar (150 g/400 Ldágua)

Município: 
Lajinha
Estado: 
MG
Primeiramente quero dizer que é de grande importância esse trabalho realizado por vcs pois nos da um plus a mais para tomarmos nossas decisões de forma mais correta. Hoje em dia tudo na cafeicultura de montanha está muito caro o que eleva e muito o custo de produção,minha dúvida é a seguinte se somos recomendados a aplicar fungicida e inseticida via solo por que mesmo assim ainda temos que fazer pulverizações com fungicidas. A aplicação dos fungicidas via foliar não poderia neste caso substituir a aplicação via solo,o que faria diminuir e muito o custo de produção.

 

Resposta:

Senhor Juscelino, o senhor diz, de inicio,  que é de grande importância esse trabalho realizado por vcs pois nos dá um plus a mais para tomarmos nossas decisões de forma mais correta. Diz, ainda, que hoje em dia tudo na cafeicultura de montanha está muito caro, o que eleva  muito o custo de produção. Sua  é sobre a  recomendação de  aplicar fungicida e inseticida via solo e por que, mesmo assim ,ainda temos que fazer pulverizações com fungicidas. A aplicação dos fungicidas via foliar não poderia, neste caso, substituir a aplicação via solo,,o que faria diminuir e muito o custo de produção. Nós entendemos sua preocupação com o custo e explicamos que a complementação da via solo com a via foliar é vantajosa, já que a via solo não tem sido mais tão eficiente com relação ao controle das pragas e doenças, especialmente quanto à ferrugem, necessitando complementação foliar, com outros ativos fungicidas. No entanto a importância dos produtos via solo é que promovem efeito de aumento das raízes do cafeeiro, e, assim, ajudam na produtividade das plantas. Neste caso, indicamos que use os produtos via solo aqueles mais econômicos e não deixe de usar a via foliar, essa , de fato é a que está promovendo o controle da ferrugem. Matiello

Município: 
Guimarania
Estado: 
MG
Boa noite! Gostaria de saber se os fungicidas e inseticidas de solo além de proteção e vigor a planta, ajudaria no desenvolvimento de ramos? Em safra baixa, poderia cortar essa aplicação?

 

Resposta:

Senhor Lucas, diz que gostaria de saber se os fungicidas e inseticidas de solo, além de proteção e vigor a planta, ajudariam no desenvolvimento de ramos, assim se em anos de safra baixa, poderia cortar essa aplicação. Nós atendemos orientando que a aplicação parcelada do fungicida de solo ainda não é comprovada como eficiente. Também com relação a não aplicar os produtos em anos de safra baixa, indicamos que isto não é indicado, pois os produtos atuam na melhoria do sistema radicular das plantas, normalmente debilitado após uma safra alta. Deste modo a recuperação da ramagem vai ser, sim, beneficiada pelo uso desses produtos. Matiello

Município: 
poços de caldas
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Luiz, pergunta com quantos dias depois da florada murchar posso aplicar o pós florada. Nós atendemos dizendo que a aplicação de defensivos pode ser feita independentemente da florada murchar, pois a fecundação do café arábica ocorre antes das flores se abrirem, ou seja a pulverização não atrapalha o pegamento dos frutos.  A aplicação pós-florada pode ser feita quando for possível, observando os períodos frios e úmidos que vão provocar as doenças e a sua disponibilidade de equipamento. Não existe um período fixo pra isso. Matiello

Município: 
Martins Soares
Estado: 
MG
café com 1 ano de transplantado, com plantas isoladas apresentado tais características, principalmente em áreas próximas aos carreadores e nos locais mais altos.

 

Resposta:

Sra Camila, pergunta qual ou quais as  possíveis doenças  que podem estar acometendo nos cafeeiros da foto e quais as formas de prevenir o problema. Diz que as plantas tem  1 ano de transplantadas,  o problema aparecendo em plantas isoladas, apresentado tais sintomas, principalmente em áreas próximas aos carreadores e nos locais mais altos. Nós atendemos dizendo que os sintomas que vimos nas fotos são de seca nas brotações novas, do ponteiro das plantas. Verificando as folhas da planta notamos folhas pequenas mas sem lesões de doenças, elas apresentando um certo stress hídrico. Deste modo poderiam ser 2 coisas – a mais provável um efeito de stress por falta dágua, levando à seca das partes mais novas, onde a água chega menos e sendo, ainda, as mais sensíveis. O fato de estar ocorrendo em plantas isoladas, como diz em pontos mais altos ou próximo a carreadores associa locais mais secos com plantas que possuem pior sistema radicular. A outra possibilidade, esta você pode verificar melhor ai se coincidem condições climáticas adequadas, seria um ataque de Phoma. Nesse caso as condições ideais seriam região de altitude elevada, aí na região acima de 800 m, período de chuvas finas e de temperaturas baixas e área sujeita a ventos frios. No entanto, como as plantas  que estão apresentando o problema estão salteadas na lavoura isto indica, provavelmente, não ser o caso dessa doença. Uma forte deficiência de boro também poderia provocar esse sintoma, bem como uma aplicação de dose alta de adubo, com efeito salino. Veja ai o que foi feito e tenha sucesso na conclusão, diante do que levantamos de possibilidades. Matiello

Município: 
Campestre
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Adelber, diz que gostaria de saber se, no caso de chuva de granizo, a pulverização deve ser feita em volume maior de calda e se pode ser feita em um só dos lados da planta. Nós atendemos dizendo que o volume de calda seria o normal mesmo, pois vai atingir a folhagem restante, danificada e a ramagem nova, tecidos esses normalmente menos volumosos do que antes da chuva de granizo. Quanto a pulverizar de um só lado vai depender da área atingida. Caso seja apenas um lado da linha de cafeeiros poderia sim proteger, com a calda pulverizada, apenas aquele lado atingido, assim com maior economia de produto. Matiello

Município: 
Campestre
Estado: 
MG
Sou produtor de café de montanha e as aplicações de fungicida via foliar são uma grande dificuldade. Alguns produtores te usado via drench fungicidas associados a inseticidas em novembro, e uma segunda aplicação de fungicida (flutriafol) também via drench em fevereiro para tentar controlar a ferrugem. Gostaria de saber sua opinião a respeito dessa prática.

 

Resposta:

Senhor Adelber, diz que gostaria de saber se, no caso de chuva de granizo, a pulverização deve ser feita em volume maior de calda e se pode ser feita em um só dos lados da planta. Nós atendemos dizendo que o volume de calda seria o normal mesmo, pois vai atingir a folhagem restante, danificada e a ramagem nova, tecidos esses normalmente menos volumosos do que antes da chuva de granizo. Quanto a pulverizar de um só lado vai depender da área atingida. Caso seja apenas um lado da linha de cafeeiros poderia sim proteger, com a calda pulverizada, apenas aquele lado atingido, assim com maior economia de produto. Matiello

Município: 
Bom Sucesso
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Paulo, quer saber quando usar somente um triazol, somente uma estrobilurina, e quando usar os dois juntos. Nós atendemos dizendo que, hoje em dia o triazol isolado praticamente está fora de uso, isto por que, esse fungicida não consegue, isoladamente, ter boa eficiência contra a ferrugem. A combinação com estrobilurina visa evitar problemas com a resistência do fungo, ao mesmo tempo em que esse grupo fungicida consegue adicionar bom controle também pra cercosporiose. Assim, as formulações mistas são, atualmente as indicadas. No caso de uma aplicação especifica pra cercosporiose, pra reduzir fermentações em fruos, em locais de bebida inferior, ou, mesmo, em controles de Phoma a estrobilurina pode ser usada isoladamente. Matiello

Município: 
Santa Rita de Caldas
Estado: 
MG
tenho uma duvida sobre o que acontece com meu cafe, que e uma catuai 144 que esta plantado a 1450mts de altide, ele tem florada desparcelada ate quatro em um periodo de 70dias e nao tenho certeza de como proceder com o pre e pos florada de qual seria a maneira mais correta. costumo aplicar os produtos nos primeiros botoes da primeira e depois nos chumbinhos da ultima florada, com o cantus(200g/ha), o comet(1lt/ha), com o supera(4lts/ha) e tenaz(3lts/ha) e mesmo assim a grande incidencia de phoma, seria presiso fazer uma terceira aplicaçao? ou usar algum outro defencivo? como devo proceder?

 

Resposta:

Senhor André, diz ter duvida sobre o que acontece na sua lavoura, que é uma catuai 144, que está plantado a 1450mts de altitude. Ele apresenta floradas  parceladas,  até  4  em um período de 70dias, assim fica em dúvida sobre como aplicar os produtos de proteção de florada. Diz que  costuma aplicar os produtos nos primeiros botões da primeira e depois nos chumbinhos da ultima florada. Diz que aplica  cantus(200g/ha), o comet(1lt/ha), com o supera(4lts/ha) e tenaz(3lts/ha) este no solo,  e, mesmo assim, ocorre grande incidência de phoma. Pergunta se seria preciso uma 3ª  aplicação ou  usar algum outro defensivo. Nós atendemos dizendo que estes tem sido os produtos testados e comprovados com boa eficiência contra Phoma. Porem, sua região, de altitude muito elevada, condiciona fatores muito favoráveis à doença, como frio e umidade. Assim, nós aconselhamos sim a utilizar maior numero de pulverizações, encaixando uma mais cedo no ciclo, em agosto, pra reduzir o inoculo da doença, depois uma um pouco mais tarde em dezembro. Alem disso,veja uma maneira de arejar sua lavoura, através de podas, pra que as folhas sequem mais rapidamente, após chuvas ou orvalho e reduza a adubação nitrogenada, tudo pra tornar as plantas menos susceptíveis à doença. Matiello

Município: 
Ibitiura de Minas
Estado: 
MG
estou correto com a aplicaçao? Posso repertir a mesma no pos florada? Tenho que adicionar mais algum produto?

 

Resposta:

Senhora Camila, diz que fez aplicação na pré florada em sua plantação, usando  Cantus,Comet e supera mais espalhante adesivo. Pergunta se está correto e se pode repetir a mesma na pós florada ou se deve adicionar algum produto. Nós atendemos dizendo que estes produtos são essenciais pra proteger contra doenças que atacam os botões e os chumbinhos. Ajudam ainda, na proteção inicial contra a ferrugem. Nós indicamos tirar o espalhante, pois os comuns pouco ajudam no aproveitamento dos defensivos, pois as folhas do cafeeiro são semi-cerosas e as gotas see espalham bem nelas.  Poderia, pra aproveitar, já incluir o zinco e o boro na aplicação.

Município: 
Campestre
Estado: 
MG
Olá amigos! Sou produtor de café nas montanhas entre 1050 e 1250 metros. Tenho plantações adensadas em face sul e sudoeste e muitos problemas com fungos, especialmente Phoma e floradas desuniformes

 

Resposta:

Sr Adelmer, diz que é produtor de café nas montanhas entre 1050 e 1250 metros. Tem plantações adensadas em face sul e sudoeste e muitos problemas com fungos, especialmente Phoma e floradas desuniformes. Nós atendemos dizendo que, de fato, as zonas mais altas e mais frias e úmidas são problemáticas para Phoma e, sendo zonas com menor stress hídrico, podem gerar várias floradas no cafeeiro. O uso de N em doses muito elevadas e, principalmente, em desequilíbrio com K podem sim favorecer o ataque de Phoma. Quanto a uniformizar a floração, desde que  a adubação não seja feita no inverno ela influi menos na floração. Sempre que a planta fique muito vegetada, sem stress, a maturação das gemas florais retarda e fica desigualada. Matiello

Município: 
Cambuquira
Estado: 
MG

 

Resposta:

Sr Elisandro, pode sim misturar e usar, na mesma calda, em pulverização um adubo foliar como o que menciona, com o fungicida Cantus. Matiello

Município: 
Ipuiuna
Estado: 
MG
Estou em uma região onde quase não tem plantação de café,gostaria de saber informações sobre esse programa de controle de pragas da basf, quais são os produtos e quais a maneiras e épocas de usar? Estou começando na cafeicultura e encontrei o site da procafe e gostaria de uma explicação sobre o assunto? Desculpe minha ingenuidade sobre o assunto

 

Resposta:

Senhor João Paulo, diz que este em uma região onde quase não tem plantação de café e gostaria de saber informações sobre esse programa de controle de pragas da basf, quais são os produtos e quais as maneiras e épocas de usar?

O sistema Ag celence da Basf se baseia em produtos fungicidas que apresentam efeito tônico nas plantas, alem do controle das doenças. São produtos que melhoram a fotossintes dos cafeeiros, diminuem a produção de etileno, a temperatura nas folhas, ou seja, promovem melhorias fisiológicas nas plantas. No caso do controle das doenças do cafeeiro ele indica o uso de 1 -2 aplicações de Cantus, a 200 g/ha, na pré e pós-florada e, depois, em dez/jan, fev/mar e abril,  3 aplicações de 1 – 1,5 L de Ópera, estas aplicações pro controle de Phoma, de ferrugem e cercosporiose. Matiello

Município: 
Lajinha
Estado: 
MG
A muitos anos venho aplicando somente produtos SYNGENTA contra as principais doenças do meu parque cafeeiro,VERDADERO VIA SOLO a quantidade de acordo com cada espaçamento,e PRIORIXTRA em duas e as vezes três pulverizações via canhão de 2000 litros,sendo a primeira pulverização 750 ml por hectare e a segunda e terceira com 500 ml por hectare,porém não venho vendo um resultado satisfatório até pq não gosto do VERDADERO. Gostaria de usar outros produtos que me desse lavouras mais vigorosas e sadias.Por isso gostaria de saber se os produtos da EMPRESA ADAMA poderia suprir essa minha carência.Em caso negativo quais os produtos vcs me indicariam em substituição ao VERDADERO VIA SOLO e o PRIORIXTRA VIA FOLHA e um indicado pra fazer PRÉ FLORADA E EM QUE QUANTIDADE POR HECTARE. Desde já agradeço e aguardo.

 

Resposta:

Senhor Juscelino, pergunta se os produtos da ADAMA são de alta qualidade e eficiência contra as principais doenças do cafeeiro, dizendo que vem usando outros e não tem ficado satisfeito. Nós atendemos dizendo que, para o registro e comercialização de quaisquer defensivos, a Empresa Fabricante ou formuladora precisa comprovar a eficiência junto ao setor competente, como o Ministério da Agricultura , alem de aspectos de toxicidade, ambientais, etc, junto ao Ministério da Saúde e IBAMA. Deste modo, a principio todos os produtos são eficientes e aprovados, antes de sua liberação. No caso dos produtos da ADAMA, pro controle da ferrugem, o produto de solo é o Prático, combinando o Triazól Flutriafol mais um neonicotinóide, (indicado na base de cerca de 3L por ha), à semelhança de outros de outras empresas, e , para a aplicação foliar, também são produtos semelhantes, no caso o Guapo, combinando epoxiconazole com uma estrobilurina, indicado na dose de 600-800 ml por ha, em 3 pulverizações ao ano. Pra pré-florada eles possuem o Azimut, que contem um triazol tebuconazole mais uma estrobilurina, indicado na dose de 750 ml/ha. Procure caprichar nas épocas corretas e no modo de aplicação. Como usa o canhão , como disse,  use doses mais altas, pois ele é imperfeito na distribuição da calda sobre a folhagem. Veja, ainda, a questão de preços e, ultimamente, sempre indicamos usar a dose mais alta possível. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
gostaria de saber o tamanho mais recomendado dos botoes para aplicar o pre florada(comet, cantus, supera), pois a divergencia entre os tecnicos de minha regiao, uns falam pra aplicar no estado dente de cachoro, outros falam que tem que ser quando estao bem pequenos. enfim qual o melhor estagio?

 

Resposta:

Senhor Pedro, pergunta qual é o tamanho ideal dos botões,  para se aplicar o pré florada (comet, cantus, supera), pois existe  divergência entre os técnicos da sua região, uns falam pra aplicar no estado dente de cachorro, outros falam que tem que ser quando estão bem pequenos. Enfim, indaga qual seria o melhor estagio. Nós atendemos dizendo que a aplicação de fungicidas, para proteção na pré ou pós florada, não depende, especificamente, do tamanho dos botões, mas sim da época. Isto por que as doenças que atacam a florada são dependentes de períodos frios e úmidos, especialmente quando ocorrem chuvas finas. Deste modo, as aplicações devem coincidir em setembro outubro, variando a cada ano conforme o período em que são previstas as primeiras chuvas. Já, no pós florada, época muito importante, as aplicações devem ser feitas em novembro dezembro, depois da abertura da florada, logicamente, variando conforme o inicio do período chuvoso. Veja que se aplicar e não chover no período em seguida, pode passar o efeito do produto e, como não ocorreram condições adequadas de umidade as doenças podem não ocorrer e a aplicação diminui seu efeito. Assim, com base no clima normal de sua região você deve aplicar nas duas épocas que concidem melhores condições para o desenvolvimento das doenças. Matiello

Município: 
Albertina
Estado: 
MG
sou novo na cultura do cafe, e nao tenho base alguma, sobre quais produtos usar no pre e pos florada, quais produtos comerçias poderia usar?

 

Resposta:

Senhor Caio,

Diz que é novo na cultura do café, e não tem base alguma, sobre quais produtos usar na pré e pós florada, pergunta, assim, quais produtos comerciais poderia usar. Nós atendemos que no período próximo à floração, caso esteja em região fria, com a umidade, podem ocorrer doenças que atacam as inflorescências e os chumbinhos, especialmente pelo fungo da Phoma. Neste caso os produtos indicados, existentes no mercado são - o Cantus, uma combinação de Cantus com Comet, o Priori top, o Nativo e o Azimut. Matiello

Município: 
Patos de Minas
Estado: 
MG

 

Resposta:

Especificamente testado pra rizoctoniose em mudas de café só temos este mesmo. Veja no representante Bayer. O que sabemos é que agora só vem o produto liquido, não mais em pó. Matiello

Município: 
Santa Rita de Caldas
Estado: 
MG
posso aplicar o flutriafol no solo em novembro e depois fazer o controle na folha com aplicaçao foliar do mesmo? Se sim, qual dosagem e volume de calda por ha? Irei fazer a pulverizaçao com o atomizador costal sthil em cafe catuai 144

 

Resposta:

Senhor André, o senhor pergunta se pode  aplicar o flutriafol no solo em novembro e depois fazer o controle na folha com aplicação foliar do mesmo. Se sim, qual dosagem e volume de calda por ha. Diz que irá fazer a pulverização com o atomizador costal sthill em café catuai 144.

Nós atendemos sua indagação dizendo que o Flutriafol, de fato é muito útil na via foliar, por ser bem absorvido via raízes, tendo efeito no vigor das plantas, alem do controle da ferrugem. Para a via foliar pode sim ser aplicado, porem o ideal seria sua combinação com produto à base de estrobilurina, já que com 2 principios ativos você terá mais efeito. Aliás, as formulações fungicidas para uso foliar, contra a ferrugem, das diversas empresas já possuem essa combinação. Quanto às doses, com o produto Tenaz deve usar cerca de 2,5-3,0 l por ha e caso fosse combinar o mesmo na via foliar, como disse, agregando uma estrobilurina, seria 0,75 l do Tenaz mais o produto que escolher. Matiello 

Município: 
Campos Atos
Estado: 
MG
Estou realizando pulverizações nas áreas colhidas nesse mês de Agosto, como estou usando inseticidas para o controle de BM e MAP purificado na calda, não estou usando cúpricos na mistura e sim um triazol com estrobirulina. Gostaria de saber se o efeito "curativo" é tão eficiente quanto o cúprico. Grato.

 

Resposta:

Senhor João, diz que está  realizando pulverizações nas áreas colhidas nesse mês de Agosto, como está usando inseticidas para o controle de BM e MAP purificado na calda, não está usando cúpricos na mistura e sim um triazol com estrobirulina. Gostaria de saber se o efeito "curativo" é tão eficiente quanto o cúprico.

Nós atendemos indicando que vai depender dos problemas que possui ai em sua região. Para aspecto de prevenção de mancha aureolada, o cobre é essencial. Caso deseje proteção contra Phoma na pré florada o ideal seria uma estrobilurina pura, em maior dose, pois esta seria mais especifica. No caso, o triazol seria pra ferrugem e esta não seria época de controle desta doença. De fato, a combinação de cobre com MAP traz problemas de incompatibilidade na calda. Nesse caso, em se tratando de lavoura adulta, onde o P vai via solo, não vemos necessidade do MAP via foliar. Nesse caso, retire o MAP e coloque o cobre. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
PELO QUE OUVI FALAR, ADICIONADO AGUA O COBRE DO VIÇA VIRA HIDRÓXIDO, QUE DISPENSA O COBRE FUNGICIDA,

 

Resposta:

Diz que ouviu falar que o novo Viça Café dispensa o uso de outro cobre fungicida, pois uma vez adicionado de água o cobre do viça vira hidróxido, uma forma tradicional fungicida. Respondemos dizendo que o produto ainda não foi muito divulgado, pois só agora está sendo lançado. O propósito é realmente formar moléculas fungicidas de proteção, como os demais. A própria Viça café tradicional fazia isso com a adição da Cal, e presume-se que o objetivo do novo produto seja o mesmo anterior só que com mais facilidade da mistura. No entanto, deve-se prestar atenção na quantidade de cobre metálico que vai fornecer pela dose indicada. Ultimamente têm sido indicadas doses bem baixas de cobre, mesmo em lavouras com espaçamentos e plantas altas e carregadas, cuja massa foliar e pressão das doenças tem sido elevadas. Ao nosso ver, deve ser calculado o teor de cobre e a dose de forma a dar, pelo menos. 1 Kg de cobre metálico por ha. Caso contrário, em qualquer uma das fontes de cobre fungicidas usadas, deve-se complementar pra essa dosagem. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
Já ouvi em uma palestra que a melhor hora é no estagio, dente de cachorro,´pois segundo o palestrante o produto estaria agindo na abcisão foliar, que seria a porta de entrada das doênças, isto procede?

 

Resposta:

Senhor Antonio, diz que ouviu em uma palestra que a melhor hora é no estagio, dente de cachorro, pois segundo o palestrante, o produto estaria agindo na abcisão foliar, que seria a porta de entrada das doenças, pergunta se isso  procede. Respondemos que ao nosso ver não há procedência, pois, senão esse determinado produto não seri a indicado, pois derrubaria folhas. Os que conhecemos, registrados na pré e pós florada, com testes positivos, são as estrobilurinas, o Cantus, o Nativo e outros, sem esse problema de abcisão foliar. Ao contário, no uso desses produtos, especialmente os que contem estrobilurinas, ou sua combinação com cúpricos, tem efeito anti-etileno, e, portanto, inibem a abcisão foliar. As épocas de pré e pós-florada são. Normalmente, em set- Nov e dez-jan, conforme a retomada das chuvas, mais cedo ou mais tarde. Nessa época,normalmente, os botões estão bem crescidos mesmo. Matiello

Município: 
Barreiras
Estado: 
BA

 

Resposta:

Senhor Jair, Diz ser da região de Barreiras_BA e onde a pressão de BM tem sido violenta e os defensivos já não estão dando conta e tem visto falar que altas doses de N tem relação com ataque de BM. Pergunta se isso é verdade. Nós atendemos dizendo que existe apenas uma pesquisa divulgada quanto ao efeito do uso de doses de NK. O resultado obtido mostrou que de 3 amostragens em apenas uma houve um aumento da infestção para um nível de NK de 230% a mais que o normal, um nível muito elevado. Portanto, é cedo pra afirmar que uma adubação um pouco mais alta, aquela necessária pra uma boa produtividade esteja causando  o desequilíbrio. Este maior efeito de infestação parece estar ligado a temperaturas altas e umidade baixa, e, ainda, ao uso de defensivos (tipo Clorpirifós) e outros, em altas doses. Matiello

Município: 
Senador Jose Bento
Estado: 
MG
Tenho essa duvida sobre quais produtos usar, sou pricipiante na lavoura de cafe e nao tenho experiençia. Cada agronomo me indica um determinado tratamento, um indica amistar+cantus+supera, outro me indica cantus+comet+supera, e assim por diante. o que eu poderia fazer de melhor? e quais as epocas certa de aplicar?

 

Resposta:

Senhor Caio , Diz ter duvidas sobre quais produtos usar, sendo principiante na lavoura de café e não ter experiênçia. Cada agronomo me indica um determinado tratamento, um indica amistar+cantus+supera, outro me indica cantus+comet+supera, e assim por diante. Pergunta o  que poderia fazer de melhor, quanto a produtos e épocas de aplicar.

Nós esclarecemos que as duas alternativas que nos encaminham são semelhantes, pois envolvem 3 grupos de fungicidas, uma estrobilurina(Amistar ou Comet) , uma Carboxamida(Cantus) e um cúprico(supera). A esolha entre eles, cuidando para as doses indicadas na bula, pode ser feita conforme seu custo. Quanto à época deve haver coincidência pouco antes do período chuvoso, em outubro, na pré-florada, e em Nov-dez, na pós-florada, sempre em período onde ocorra umidade, fator para desencadear o ataque dos fungos e bactérias que se pretende controlar e proteger a florada/frutificação. Matiello

Município: 
Araguari
Estado: 
MG
Relação praga/nutrição

 

Resposta:

Senhor Guilherme, diz que ouviu falar que em parte do desequilíbrio de BM se deve ao desequilíbrio de N/B. Nós não conhecemos essa característica de desequilíbrio para o BM. O que tem ocorrido é por uso de inseticidas, como o Clorpirifós, em doses elevadas, pro controle da broca, promovendo desequilíbrio para BM. Alem disso, parece que a praga já apresenta resistência para alguns inseticidas que até pouco eram muito eficientes e não tem funcionado bem atualmente. Matiello

Município: 
Cristina
Estado: 
MG
Sou principiante como produtor de café, arrendei uma área meio que abandonado, apareceu a doença conhecida (cercosporiose do café ou mancha de olho pardo ou olho de pomba)fiz um curativo com o fruto ainda eu pequeno, precisa repetir o curativo? aplicação de fungicidas com cantus/outros no cafe já em fase avançado de maturação?

 

Resposta:

Senhor Renato,

Diz ser principiante como produtor de café, tendoarrendado uma área meio que abandonada, ali aparecendo a doença conhecida como cercosporiose do café . Diz que fez uma pulverização curativa, com o fruto ainda pequeno, indagando se pode repetir  curativo.

Nós respondemos que a pulverização, dentro da norma regulatória, só pode ser feita até 30-40 dias antes da colheita, isto pelo efeito de carência dos resíduos. Quanto à eficiência contra a cercosporiose, a pulverização mais tardia ajuda pouco, pois os fungicidas que temos só são efetivos de forma preventiva, sendo os mais indicados aqueles à base de estrobilurina ou de cobre. A época correta pra controle da cercosporiose é em dezembro a fevereiro, com os frutos ainda novinhos, com aliás diz que utilizou. Ainda, veja que o problema de cercosporiose está ligado à fraqueza das plantas, especialmente quanto a carências de nitrogênio. Portanto, pra próxima safra, alem de fazer pulverizações preventivas,  adube bem, pois assim a cercosporiose evolui pouco. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
Trabalho em uma região montanhosa onde a pulverização foliar é costal, então fica difícil para se fazer as duas, pré e pós florada.

 

Resposta:

Senhor Antonio,  Diz que  trabalha em uma região montanhosa, onde a pulverização foliar é costal, então fica difícil para se fazer as duas, pré e pós florada. Indaga qual é prioritária. Nós indicamos que nos ensaios e pesquisas, a importância das pulverizações de proteção dos chumbinhos, portanto, na pós-florada tem sido mais eficiente, sendo que o ideal, de fato, especialmente em lavouras com carga alta, seria a as duas aplicações. Ressalta-se que essa prioridade varia a cada ano dependendo das condições climáticas, pois a umidade associada ao frio é que provoca as doenças que atacam as rosetas nos ramos.Matiello

Município: 
São Sebastiao da Grama
Estado: 
SP
Frutos de café rachando , está relacionado com a deficiência nutricional de algum elemento ou excesso de chuvas. Segue fotos para acompanhamento.

 

Resposta:

Sr Daniel, encaminha fotos de frutos de café rachando, e indaga se está relacionado com deficiência nutricional de algum elemento ou excesso de chuvas. Respondemos que a rachadura em frutos de café,, como suspeita, sempre está relacionada com chuvas na época de maturação dos frutos. Matiello

Município: 
São Sebastião da Grama
Estado: 
SP
Onde encontramos dados para o controle de nematoide: meloidogyne sp..

 

Resposta:

Senhor Daniel,  solicita dados/informações  para o controle de nematoide  Meloidogyne sp. Nós atendemos informando, a principio, que as medidas de controle gerais se aplicam a todas as espécies de Meloidogyne – são elas- No plantio  – Fazer rotação de cultivo, para novo plantio em área infestada, usar matéria orgânica e nematicidas no plantio e usar variedade resistente, de pé franco ou mudas enxertadas e usar mudas sadias.  Na lavoura adulta – usar adubos orgânicos, usar fungicidas/inseticidas de solo, para estimulo do sistema radicular e usar bons níveis de adubação e de trato, para ir convivendo. Nesse caso, com a entrada de novos nematicidas, poderia, eventualmente, aplica-los, os atuais sendo pouco eficientes nas lavouras adultas.

Para as espécies de Meloidogyne mais severas(incognita e paranaensis) a solução é usar variedade resistente, de pé franco, como a IPR 100 ou enxertia sobre Apoatã. Matiello

Município: 
Taiobeiras
Estado: 
MG
Qual relação de nitrogênio ao ataque de bicho mineiro? Somos cafeicultores em Taioberas MG e nos últimos anos temos enormes problemas com o bicho mineiro. Tenho observado em um pivô de 60 ha, 02 área distintas. Temos 30 ha com safra 0 e 30 ha com 45 sc/ha, sendo que neta área aplicamos de janeiro/16 a março/2016 460 kg/Nha e na área com safra 0 270 kg/Nha no mesmo período. Os tratamentos foram realizados com actara 250 wg/1,5 kg ha em ambas as áreas em 04 a 6 de janeiro de 2016 e a partir desta aplicação não conseguimos controlar a praga na área com carga. Enquanto na ára sem carga fizemos apenas mais 01 aplicação com curion (0,8 l/ha), na área com carga, aplicamos curion, actara 1,2l/ha, ampligo a,33l/ha, e outros como abamectim 0,5 l/ha para ácaro. Hoje a área com problema encontra com níveis altos de folhas minadas, adultos e pustulas. Eldenir

Resposta:

Senhor Eldenir, Diz ser cafeicultor Taioberas MG e nos ultimos anos tem tido enormes problemas com o bicho mineiro. Desconfia do efeito da dubação nitrogenada, pois em meio pivô tem área com safra zero e adubação de 260 Kg de N/ha e na outra metade com 40 scs/já e adubação de 460 Kg de N, sendo que na área sem produção e com menor adubação o problema do bicho mineiro é muito menor do que na área com carga.

Nós respondemos que conhecemos bem a sua região, a qual, juntamente com todo o Norte de MG vem passando por um período muito quente e seco, onde o BM tem sido muito difícil de controle.

Não temos pesquisas que evidenciem o efeito do N sobre a incidência de BM, no entanto, sabemos que plantas estressadas, seja pelo clima ou pela carga, sempre ficam mais susceptíveis a pragas e doenças. Não se comprovou, ainda, a relação entre nível de N ou de carga ao ataque de BM, como existe comprovação para o caso da cercosporiose e da ferrugem.

No seu caso, aliás, as adubações nitrogenadas são semelhantes entre as 2 áreas, pois se indica cerca de 50% do nível normal no ano sem safra.

O que parece que está acontecendo, em todas as regiões , é uma resisteência do BM aos inseticidas, exigindo aumento de doses e troca de ativos. No momento não vemos na pesquisas já efetuadas e, talvez no seu caso, pela equivalência da adubação das 2 áreas que o N tenha a ver nem com o aumento como na redução do ataque do BM. Sabemos que a adubação influi na recuperação das plantas. Para o caso de pragas temos uma relação já determinada com relação ao ácaro vermelho. Matiello

Município: 
Campos Altos
Estado: 
MG
Uso de neonicotinoides, dentre eles o Tiametoxan, acompanhado de uma estiagem, pode causar um desequilíbrio promovendo ataque de ácaro vermelho?

 

Resposta:

Senhor João, com certeza existe uma relação estreita entre o uso de inseticidas, do grupo dos neo-nicotinóides, com o aumento da população de ácaros em cafeeiros. A explicação pra isso está no fato de existirem substâncias liberadas nas plantas que aumentam a reprodução dos ácaros. Por isso, deve ficar atento e combinar com o uso de um acaricida via foliar.

Município: 
Campos Altos
Estado: 
MG
Sou cafeicultor na região de Campos Altos e estamos tendo um ataque generalizado de lagartas, principalmente a Mede-Palmo. Não encontrei um consenso em relação ao nível de controle dessa praga, portanto gostaria de saber a opinião da fundação sobre o assunto.

 

Resposta:

Senhor João, diz ser  cafeicultor na região de Campos Altos e está tendo um ataque generalizado de lagartas, principalmente a Mede-Palmo. Não encontrou um consenso em relação ao nível de controle dessa praga, portanto gostaria de saber a opinião da Fundação sobre o assunto.

Nós, igualmente, não temos nenhum estudo, que indique o nível de dano econômico, para lagartas. O controle se baseia em observação prática, verificando tanto o dano direto, pela redução na folhagem, como pelo indireto, nesse caso abrindo porta para doenças. O surto de lagartas tem aumentado, provavelmente, pelo uso de inseticidas que desequilibram a praga, através da destruição dos seus inimigos naturais. Nesse caso, um dos produtos que tende a desequilibrar é o inseticida à base de Clorpirifós, usado, em altas doses, para a broca do fruto.

Para o controle são indicados os mesmos produtos usados, na via foliar, para o BM, como o Altacor, Benevia, Tracer, Piretróides e, ainda, embora sem registro, o Lanate.

Município: 
Rio Paranaíba
Estado: 
MG
Boa noite! Possuo uma área de 39 ha plantada recentemente (40 dias), um técnico de minha região me recomendou uma lista de produtos para nutrição e controle de doenças, e outros, são esses: Priori Xtra (200 ml/ha), Aminoácido (1 L/ha), Kasumin (2 L/ha), P 51 (1,5 L/Ha), Nomolt (250ml/Ha). A regulagem do tanque Arbus de 400 L que tenho foi feita para 50 L/Ha resultando assim em 8 ha feitas por tanque. Gostaria de saber a quantidade de cada produto a ser colocada no tanque que seria a dose x 8 não concentraria grandes quantidades de produtos no tanque visto que seriam colocadas em cada tanque (Abastecimento) 1,6 L de Priori, 8 L Aminoácido, 16 L de Kasumin, 12 L de P51, 2 L de Nomolt. Esse tanto de produto sendo colocado de uma vez no tanque concentra demais ou a conta é essa mesma? (A dosagem de todos os produtos foi dada em L/Ha)

 

Resposta:

Senhor Wagner,

Voce diz que um técnico de sua região recomendou uma lista de produtos para nutrição e controle de doenças, e outros, são esses: Priori Xtra (200 ml/ha), Aminoácido (1 L/ha), Kasumin (2 L/ha), P 51 (1,5 L/Ha), Nomolt (250ml/Ha). A regulagem do tanque Arbus de 400 L que tenho foi feita para 50 L/Ha resultando assim em 8 ha feitas por tanque. Gostaria de saber a quantidade de cada produto a ser colocada no tanque que seria a dose vezes 8 . Indaga se não concentraria grandes quantidades de produtos no tanque visto que seriam colocadas em cada tanque 1,6 L de Priori, 8 L Aminoácido, 16 L de Kasumin, 12 L de P51, 2 L de Nomolt. Esse tanto de produto sendo colocado de uma vez no tanque concentra demais ou a conta é essa mesma? (A dosagem de todos os produtos foi dada em L/Ha).

Nós respondemos que a concentração da calda fica, realmente, muito elevada. Somando tudo fica 39,6 litros em 400 litros, ou cerca de 10% de concentração na calda. Sabe-se que quanto mais concentrada a calda menor será sua capacidade de ser absorvida pelas folhas. Alem disso, como notou, com sabedoria, existem muitos produtos mal colocados, alguns sem necessidade. O Priori está inadequado, pois ele é indicado, principalmente para ferrugem, que não ocorre nos primeiros meses do pós-plantio. Caso fosse pra ferrugem ou cercosporiose sua dose deveria ser mais elevada, cerca de 0,75 litros  por ha. O P 51 creio que seja pra suprir o fósforo, este você já usou no sulco de plantio. O Nomolt é pra BM e você precisa ver se existe uma mínima infestação antes de usa-lo. O Kasumin é pra mancha aureolada, este devendo ser preventivo, mas desde que tenha aparecido algo ou condições de umidade/vento/temperatura favoráveis. Mesmo assim seria indicado associá-la a um produto cúprico, este seria incompatível com o fósforo.

Deste modo, alem deles terem menor capacidade de serem absorvidos, mesmo que não queimem as folhas, existe o aspecto econômico, muita coisa, sem necessidade, encarece.

Finalmente, veja que a recomendação, nesse caso, seria uma dose adequada, somente dos  produtos necessários, colocando a dose, indicada por hectare, em 400 litros d´agua e, assim, a calda teria a concentração adequada. O fato de gastar mais ou menos calda por ha vai depender, logicamente, da idade das plantas, e de sua área foliar. No seu caso, onde os cafeeiros são ainda jovens e gastaria apenas 50 l de calda por ha, as doses efetivamente usadas por ha seriam as doses de uma lavoura adulta divididas por 8. Matiello

Anexo: 
Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
Fui em uma lavoura de café antiga, que está esqueletada, 70 % da lavoura estão com parte das folhas amarelas parecendo deficiência de ferro e manganês, mas alguns pés que estavam mais atacados, acabei descascando o tronco e estou desconfiado de Fusariose, fiz uma análise de folha o resultado foi o seguinte, N=39,83, P=1,8, K=24,75, Ca=12,75, Mg=5,5, S=2,85, (g/Kg), B=65,19, Cu=13, Fe=210, Mg=215, Zn=21, Na=71,5, Al=195 (mg/Kg). Caso for fusariose, é possível ocorrer a doença em quase toda a lavoura? desde já agradeço a atenção, aguardo notícias, segue em anexo foto,outra pergunta, como anexar mais de uma foto na hora de anexar?

 

Resposta:

Senhor Antonio,

Diz que foi em uma lavoura de café antiga, que está esqueletada e  70 % da lavoura apresentava folhas amarelas, parecendo deficiência de ferro e manganês, mas alguns pés, que estavam mais atacados, acabou descascando o tronco e ficou desconfiado de Fusariose.  Fez uma análise de folhas e o resultado foi o seguinte, N=39,83, P=1,8, K=24,75, Ca=12,75, Mg=5,5, S=2,85, (g/Kg), B=65,19, Cu=13, Fe=210, Mn=215, Zn=21, Na=71,5, Al=195 (mg/Kg). Pergunta o que pode ser e caso for fusariose, se é possível ocorrer a doença em quase toda a lavoura.

Informamos que é muito difícil ocorrer a fusariose  generalizada, a mesma tendo sido verificada, até o momento em poucos pés dentro da lavoura. Assim essa hipótese do amarelecimento ligado a uma fusariose geral fica descartada. A análise foliar indica níveis normais de todos os nutrientes, porem isso não descarta a possibilidade de estar havendo deficiência induzida, já que os níveis altos se referem a lavoura esqueletada, portanto sem qualquer produção. Nós, assim, julgamos que tenha uma causa induzindo as deficiências, como excesso de correção do solo, pragas de raízes, excesso de chuvas etc, e o que está amarelando a lavoura é a deficiência induzida de Fe e Mn mesmo, como suspeita.  Matiello

Município: 
Santa Rita de Caldas
Estado: 
MG
tenho um cafe catuai e esta esqueletado, no espaçamento de 3x1, fiz uma aplicaçao de tenaz em final de outubro colocando 600ml do produto pra cada pulverizador costal de 20lts com um esguicho de 50ml por planta bem no tronco, mais agora vejo o aparecimento de ferrugem, e a pulverizaçao onera muito o custo por ser ladeira, poderia fazer uma aplicaçao no solo agora? lembrando que a lavoura foi esqueletada em setembro e esta muito bem cuidada conforme analise de solo sendo feita 4adubaçoes de 200g por pe de 30-00-10 e uma de super simples de 250g planta.

 

Resposta:

Senhor Renato

Diz que tem um cafezal  catuai e está esqueletado, no espaçamento de 3x1. Fez uma aplicação de Tenaz, em final de outubro, colocando 600ml do produto pra cada pulverizador costal de 20lts com um esguicho de 50ml por planta bem no tronco, mais agora constata o aparecimento de ferrugem, e a pulverização onera muito o custo por ser ladeira. Indaga se  poderia fazer uma aplicação no solo agora. Lembra que a lavoura foi esqueletada em setembro e está muito bem cuidada conforme analise de solo, sendo feitas 4,adubações, de 200g por pé, de 30-00-10 e uma de super simples de 250g planta. Nós respondemos que de fato vem tratando bem sua lavoura e a aplicação de fungicida de solo que fez deve ter dado bom resultado no vigor da plantação. Sobre a ferrugem seria esperado um pouco de ataque, pois o fungicida de solo não tem sido suficiente sozinho, devendo ser complementada por aplicações foliares, onde entram outros ativos fungicidas. Agora outra aplicação via solo não traria efeitos. Voce deve avaliar bem, caso a ferrugem esteja com índice de ataque de mais de 10% de folhas infectadas, seria o caso de pulverizar, pois nova aplicação via solo, agora, não adianta. Voce voltaria a fazer a mesma no inicio do próximo período chuvoso. Na aplicação via foliar, caso a ferrugem esteja em nível de cerca de 10% nas folhas, deveria usar uma formulação que, alem do triazól, contenha também, a estrobilutrina. Normalmente, no caso de cafeeiros esqueletados, só o produto de solo traz bom controle. Veja, assim, se o seu nível de ferrugem não é baixo, como dissemos, se tiver, agora nível inferior a 5% de folhas significa que a ferrugem vai evoluir pouco e não precisaria pulverizar. Matiello

Anexo: 
Município: 
Rio Paranaíba
Estado: 
MG
Gostaria de saber se devo ou não continuar com essa receita em um café plantado no dia 15/12/2015. Já foram feitas 03 pulverizações da mesma com intervalos entre 30-40 dias uma da outra. Cantus-30 gramas; FH Café Foliar-400 gramas; Rimon-80 ml;Nitrato de Cálcio-500 gramas; Nitrato de Potássio-500 gramas; Buster (Hormônio)-100 ml; Melaço em pó-1,25 kg e Kocide-400 gramas essas doses feitas em 100 litros de água. Visto que as plantas não apresentam visualmente nenhum tipo de travamento. Posso continuar a fazer, tiro algum produto? Porque serão irrigadas e provavelmente cresceram por mais um tempo. Variedade Catuaí Vermelho IAC 144. A foto que está em anexo foi tirada no dia 29/02/2016. Espero pela resposta de vocês e obrigado sempre por esse espaço cedido a nós ligados ao ramo da cafeicultura! Ninguém mais confiável que vocês para tirar nossas dúvidas, grande abraço e nos encontramos no curso em Araxá agora no fim desse mês!

 

Resposta:

Senhor Diego,

Em sua exposição, junto à pergunta diz, que já fez 3 pulverizações, incluindo Cantus, FH foliar, Rimon, Nitrato de cálcio e de potássio, Buster, melaço em pó e Kocide. Quer saber se deve continuar com novas aplicações, num café com 4 meses de idade.

Nós respondemos dizendo que, pela foto enviada, suas plantas novas de café estão muito bem e se pode notar, alem da pulverização, uma boa adubação via solo. Vemos que está usando muita coisa, até desnecessárias, pois os produtos devem ser usados conforme sejam observados os problemas de pragas/doenças que ocorrem e o mesmo em relação aos nutrientes. Macro-nutrientes como o Nitrogenio, cálcio e potássio, devem ser usados via solo. Hormonios só depois de comprovação dos seus efeitos. No caso do cobre está usando 2 fontes (FH foliar e Kocide) e no caso do melaço ele seria para diminuir stress hídricos, assim mesmo se não chover, pois ele lava. Mais, diz que colocou irrigação. Deste modo, a aplicação mal não faz o que vemos que ela onera o custo. Deste modo indicamos a simplificação das aplicações. Pode manter proteção contra o BM, se necessária, e contra Phoma idem, deve colocar uma só fonte de micro nutrientes e retirar o restante. Como já fez 3 aplicações, agora pode dar um tempo e fazer uma aplicação mais adiante, no inverno, onde as doenças e o BM são mais severos. Matiello

Município: 
Iúna
Estado: 
ES

 

Resposta:

Senhor Mateus, Diz que seu problema é o uso de defensivos, pra bicho mineiro e ferrugem na época de pré-colheita. Quer saber quais defensivos pode usar e se pode usar a via solo. Nós informamos que o uso de defensivos deve observar o prazo de carência estabelecido nas bulas dos defensivos. Para os produtos via solo para bicho mineiro os produtos tem um período de carência de 90 dias, então você pode usa-los até 90 dias antes do período que pretende colher. No caso de urgência de controle do BM pode ser usado um produto foliar o qual apresenta período de carência em torno de 20 dias. Para o caso da ferrugem a carência varia, porem os foliares são indicados para aplicar até meados de abril e, assim, como a carência gira em torno de 30-45 dias, daria tempo suficiente para uso e obediência ao período de carência. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG
Sou recém formado, tive dúvidas sobre o assunto, e consultando outros técnicos as opiniões ficam divididas, uns falam que a mistura pode ser feita, outros falam que não, pois são fungicidas de ação diferente, ou, pode ocorrer queima nas folhas, por isso peço a ajuda de vocês, quero também parabenizar a PROCAFÉ por este espaço, como recém formado ele tem me ajudado muito no meu emprego.

 

Resposta:

Nós atendemos à sua duvida iniciando com o agradecimento pela boa referência feita ao nosso trabalho, o que nos motiva. Sobre o uso de formulações de fungicidas triazóis mais estrobilurinas com os cúpricos apenas uma Empresa, a detentora do produto a que se refere, não recomenda a combinação, alegando que há um tipo de incompatibilidade química e ocorrem cristalizações. Nós temos tido vários exemplos, em ensaios e em fazendas, onde a mistura é feita sem quaisquer problemas de eficiência. Quanto à queima ela, em nenhum caso, seria o problema.  Uma possível pequena redução no ativo triazol seria bem compensada  pelo efeito auxiliar de controle, inclusive evitando resistência do fungo, pelo uso dos cúpricos. Matiello

Município: 
Santo Antonio do Amparo
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Dorval, pode sim, usar o Ópera, embora o produto seja específico para ferrugem a qual pouco ataca plantas novas, bem arejadas. Um pouco de eventual toxidez do produto pode ser evitada com o uso de concentração mais baixa. O melhor seria usar o Comet, a estrobilurina contida no Ópera, pois ela tem efeito bom contra cercosporiose, aumenta a foto-sintese das plantas e reduz desfolhas. Nesse caso haveria um efeito tônico sobre as plantas, sem qualquer toxidez. Matiello

Município: 
Abre Campo
Estado: 
MG
Muitas plantas estão sendo atacadas e pelo que foi constatado tem a presença de um besouro desse em cada planta.

 

Resposta:

Senhor Matheus,

O Senhor diz que muitas plantas estão sendo atacadas e pelo que foi constatado tem a presença de um besouro desse em cada planta, conforme a foto que envia.

Nós respondemos que se trata do inseto que se conhece por carneirinho, sendo do gênero Naupactus. Ele come as folhas novas, deixando rasgaduras na margem das folhas. Ele ocorre tanto em mudas novas no campo como em brotações de recepa. O seu controle pode ser feito com o uso de inseticidas piretróides sendo útil, ainda, mistura-los com fosforados. Pode, assim, colocar o Clorpirifós(Lorsban ou outros) á razão de 0,4% na calda, mais Decis a 0,03%. Essa mistura na calda vai controlar o besourinho e, alem disso controla eventuais infestações de bicho mineiro e de lagartas e evita desequilíbrio de ácaro vermelho. Matiello

Município: 
Caldas
Estado: 
MG
Estão devastando a lavoura, peço ajuda

 

Resposta:

Senhor Paulo,

Os inseticidas para grilos, são usados na forma de combate, quando aparece a praga. Os inseticidas fosforados e os piretróides são os indicados, mas não são muito eficientes, pois os grilos se escondem sob restos vegetais, de todo modo inibem, nos primeiros dias, o consumo das plantas pelos grilos. Esses inseticidas são, também, efetivos contra lagartas e besouros (carneirinhos) e contra o bicho mineiro, que eventualmente ocorram. Averigue onde os grilos se escondem, principalmente sob restos de plantas ou sob torrões e procure eliminar estes esconderijos. Veja que alguns fazem pequenos buracos no solo e se alojam em galerias. Melhores resultados de controle químico tem sido obtidos com a aplicação de inseticida à base de Fipronil(Regent). Matiello

Município: 
Sericita
Estado: 
MG
Essa lavoura foi plantada em novembro de 2015 e agora estão apresentando algumas mudas amareladas e com o caule sendo atacado, perdendo a casca, esta ocorrendo em partes isoladas do plantio. Essa área foi preparada este ano, estando um terreno um pouco sujo. Desde já muito obrigado.

 

Resposta:

Senhor Matheus,

O senhor diz que sua lavoura  foi plantada em novembro de 2015 e agora estão apresentando algumas mudas amareladas e com o caule sendo atacado, perdendo a casca, esta ocorrendo em partes isoladas do plantio. Essa área foi preparada este ano, estando um terreno um pouco sujo. Pergunta se é Roseliniose. Nós esclarecemos que não. A roseliniose pode aparecer em plantas novas, com 2-3 anos, onde haviam tocos que, apodrecendo formam o fungo e este vai atacar os cafeeiros. Porem, as suas plantas estão muito novinhas e, alem disso, apresentam o caule estrangulado, em uma porção longa. A roseliniose só ataca as raízes. O que parece estar acontecendo aí pode ser devido a 2 causas. O plantio de mudas com poucas raízes as quais não se aprofundam e não sustentam a planta e a ação de ventos vai roçando o caule da muda no solo e se forma uma lesão. A outra causa pode vir do viveiro, com lesão de rizoctoniose tardia que volta a se desenvolver no campo. Na foto que enviou pode-se ver que a planta não tem pião e as raízes primárias estão muito superficiais e o plantio parece que ficou meio fundo. Matiello

Anexo: 
Município: 
Torrinha
Estado: 
SP
Boa tarde, temos um talhão onde esses sintomas de morte das ramas e dos frutos estão aparecendo em algumas plantas.. oque causa isso no cafeeiro?

 

Resposta:

Senhor Gustavo,

O senhor envia uma foto e pergunta porque algumas ramas e frutos estão secando. Nós observamos a foto enviada e esclarecemos que, a provável causa da seca de ponteiros dos ramos e seca de alguns frutos deve estar ligada a aspectos nutricionais. Deficiências de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio e magnésio. Precisava fazer uma análise de solo para ver como está a situação. Precisa ver, também, se as raízes do cafeeiro não estão atacadas por pragas, pois a deficiência pode ser induzida por isso. Quanto aos frutos, quando a planta está deficiente, entram doenças e a principal , que acelera a maturação e seca dos frutos, é a cercosporiose. Como a planta parece desfolhada em seu interior, veja se não está havendo ataque da leprose, as folhas internas da planta apresentando anéis mais claros. Matiello

Município: 
Ouro Fino
Estado: 
MG
entrei no site pra buscar informações sobre controle de neimatoides em café novo de 2 a 3 anos, acabei de ler uma pergunta em que se fala do mesmo assunto, e indicação do furadan pra controle, mais queria saber as dosagens e melhor maneira aplicar via solo, plantei 2,42ha de café e estão sofrendo com ataque de neimatoides, a variedade e um catuai 144 e estão morrendo vários pés, quais dosagens!indicadas de furadan? ótimo site professor Mattiello, só de ler as perguntas de outros produtores já esclareci muitas de minhas duvidas, mais uma que chamou a atenção minha também e de um produtor daqui Ouro Fino e outro de Jacutinga, sobre o ataque de uma broca ou verme que perfura o tronco do pé de café, isso tbm esta acontecendo em minha lavoura mais velha causando sérios prejuízos, estou fazendo o controle com bons resultados aplicando fastac na dose de 150ml por 20lts de agua molhando bem o tronco dos pés que apresentam a praga

Resposta:

Sr Juliano, em sua exposição diz que sua lavoura catuai, de 2-3 anos, está sofrendo com nematoides e algumas plantas chegam a morrer. Diz, ainda, que tem uma broca que está matando os pés de café mais velhos. Pede que indique dose de nematicidas.

Em resposta, informamos que os nematicidas registrados para café são o Furadan, que, se liquido, na formulação 350, deve ser usado na base de  5ml por pé, diluindo em cerca de 70-80 ml de água, aplicando sob a saia dos cafeeiros. O Rugby é outro e deve ser usado na mesma forma, diluído em água, na dose de 15 l por ha. Existem, ainda, dois nematicidas mais novos, um biológico, o Profix Max, que deve ser usado na dose de 10-15 l/ha e um ainda sem registro cujo nome é Nimitz, este usado a 2l /ha, o qual, se conseguisse uma amostra, poderia experimentar, pois ainda não está registrado. Veja que todos esses tratamentos ajudam, assim como a aplicação de adubos orgânicos também ajudamuito, mas não resolvem em definitivo. Caso o nematoide que tenha aí seja o M. exígua, que é o mais comum no Sul de Minas, pode conviver com ele, adubando bem a lavoura, como já dito, sempre que possível usar adubação orgânica, pois ela leva, também, micro-organismos inimigos naturais dos nematoides, alem de propiciar uma liberação lenta e adequada dos nutrientes. Veja, alem disso, outras causas que podem estar levando plantas a morrerem, pois este nematoide, só ataca as raízes finas do cafeeiro e não tem matado plantas. Sobre a broca, gostaríamos que nos enviasse uma foto. Penso que se trata de um efeito secundário dela. Veja se ela ataca no tronco, na parte superior do cafeeiro, em plantas mais velhas e, que, normalmente,  já foram decotadas ou esqueltadas, pois temos visto um efeito primário da doença fusariose e, em sequencia, o ataque de broca. Nos informe, por favor, se é isso ou é diferente no caso de voces, pois temos interesse em ajudar aí e em outros locais. Matiello

Município: 
Botelhos
Estado: 
MG
posso usar inceticida nuprid para aplicar no chao via drench para neimatoides? Nao sei o q fazer

 

Resposta:

Senhor Willian,


Em sua pergunta o senhor indaga se pode usar o inseticida Nuprid para aplicar no chão, via drench para nematoides, dizendo que não sabe o que fazer.

Vamos, então,  à resposta. O Nuprid é um inseticida à base de Imidacloprid, que é indicado para controle de bicho-mineiro, podendo atuar também contra outros insetos do solo, como as cigarras e o berne de raízes. Ele não é indicado contra nematoides.

Os nematoides que se encontram constatados em sua região são da espécie Meloidogyne exígua, possíveis de convivência com o cafeeiro, com o uso de adubações bem feitas, isto, especialmente, nos cafezais adultos. Em plantios novos, o problema é mais sério, pois as raízes estão ainda se estruturando e são mais superficiais. Assim, caso a área tenha sido de cafezal velho, infestado por nematoides, deve-se esperar cerca de 1 ano para plantar novamente, e, de preferência, usar uma variedade resistente ou mudas enxertadas. Em sua região poderia ser o Acauã. Para cafezais já instalados existem alguns nematicidas que podem ajudar no controle, mas a eficiência nunca é alta pois o controle é localizado e temporário. Para a convivência com os nematoides indica-se usar uma adubação química, combinada com o uso de matéria orgânica. Os nematicidas disponíveis para aplicação em cafeeiros, atualmente, são o Rugby e o Furadan. Veja aí, com o Técnico da Cooperativa em sua cidade, os cuidados e a oportunidade de uso ou não e o custo do controle, pois se trata de produtos tóxicos.Matiello

 

Município: 
JACUTINGA
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor Antonio,

O inseticida que conhecemos com efeito preventivo, ou seja, repelente a insetos cortadores, como as formigas, é o produto à base de Fipronil, tendo o produto comercial vendido como Regent, Clap e outros, o qual é utilizado sobre mudas  recém plantadas, para repelir formigas, sendo efetivo por um período de cerca de um mês. Os demais inseticidas, aqueles para grilos, são usados de forma de combate, quando aparece a praga, não preventivamente. Os inseticidas fosforados e os piretróides são os indicados e não são muito eficientes pois os grilos se escondem sob restos vegetais, de todo modo inibem, nos primeiros dias, o consumo das plantas pelos grilos. Esses inseticidas são, também, efetivos contra lagartas e besouros carneirinhos e contra o bicho mineiro, que eventualmente ocorra. Matiello

Município: 
campos gerais
Estado: 
MG
fungicida opera ou guapo? Quais diferenças dos dois para controle de ferrugem?

 

Resposta:

 

Senhor Juliano,

Os fungicidas Ópera e Guapo são parecidos em suas formulações. O Ópera contem 133 g /l de Piraclostrobina e 50 g /l de Epociconazole. O Guapo contem 125 g/l de Cresoxin metílico e 125 g/l de epoxiconazole.

Nas doses em que eles são recomendados, vejamos, na dose maior, de 1,5 litro de Ópera por ha e 0,8 litro de Guapo por ha, teríamos, por ha de lavoura, para o Ópera 199 g de uma estrobilurina e 75 g de epoxiconazole e para o Guapo 100 g de uma estrobilurina e 100 g de epoxiconazole. Somando os dois ativos teríamos 274 g/ha no Ópera e 200 g/ha no Guapo, com uma pequeno adicional para o Ópera. Já, nas menores doses, de 1,0 litro e 0,6 litro, teríamos um total de ativos fungicidas de 183 g/ha para o Ópera, contra 150 g/ha para o Guapo, também com uma pequena diferença em favor do Ópera.

Alem do aspecto quantitativo devem ser observadas as características qualitativas. Nesse sentido, o ativo epoxiconazole é o mesmo nas 2 formulações e as estrobilurinas são diferentes.

Nos ensaios em campo não tem sido significativa a diferença de controle entre as formulações das várias empresas fabricantes/comercializadoras dos fungicidas, devendo-se, entretanto, adequar as doses. Matiello 

Município: 
serra negra
Estado: 
SP
Tenho uma plantaçao de catuai 144 em area de ladeira no espaçamento 2,5mx1m muito atacada por ferrugem, faço uso do fungiçida tenaz com a seguinte dosagem 300ml do produto em um pulverizador costal de 20lts regulado com um esguicho de 50ml, mas a agua e muito dificil de levar pois e longe e por ser ladeira mais dificil ainda de aplicar, posso dobrar a dose de fungicida e diminuir para metade o volume de agua? ex: 600ml no pulverizador e um esguicho de 25ml?

 

Resposta:

Senhor Rubens,

Voce diz que tem uma plantação de catuai 144 em área de ladeira, no espaçamento 2,5mx1m muito atacada por ferrugem. Diz que faz uso do fungiçida Tenaz via solo, com a dosagem de 300ml do produto em um pulverizador costal de 20lts, regulado com um esguicho de 50ml por planta, mas a água e muito difícil de levar, pois fica longe e por ser ladeira. Pergunta se pode diminuir para metade o volume de água, colocando o dobro, por exemplo, : 600ml do Tenaz no pulverizador e fazer um esguicho de 25ml, a metade que vinha usando. 

Pois bem, vamos aos cálculos. Em sua lavoura o senhor tem 4000 plantas por ha. Gastando 50 ml por planta vai gastar 200 l de calda e 6 l do fungicida por ha, o que significa uma dose de 3,0 litros por hectare,, sendo o indicado cerca de  3,5 litros (para lavouras adensadas), já que o Tenaz tem a concentração de 250 g/l(25%). Talvez voce possa, até, aumentar um pouco a dose, pois quanto maior a dose maior é o efeito tônico do produto.

Quanto à redução do volume de calda, pode fazer sim, podendo gastar cerca de 30 ml por planta, caprichando para distribuir bem debaixo da copa do cafeeiro e movimentando a lança para fazer uma boa distribuição. Outro cuidado é aplicar em bom período de chuva, pois, assim, a chuva vai lavar o produto que fica, eventualmente, sobre a folhagem no chão.

É preciso lembrar que o período ideal de aplicação do produto via solo vai de outubro a dezembro. Quanto antes aplicar, agora , melhor, pois já está ficando meio tarde. Ainda, é preciso esclarecer que, ultimamente, talvez pela resistência do fungo da ferrugem, tem sido necessário, na maioria dos casos, completar a aplicação do solo com 2 foliares, colocando outro fungicida, como - Ópera, Priori-xtra, Aproach Prima, Sphere Max e outros similares, que contem um triazól mais estrobilurina. Matiello

Município: 
JACUTINGA
Estado: 
MG
Quero saber qual o melhor tipo de controle para essa doença, e se ela pode evoluir mais ainda nos chumbinhos, e nessa lavoura está caindo bastante café, será que é por causa dela?

 

Resposta:

Senhor Antônio,

Em sua exposição diz que quer saber qual seria  o melhor tipo de controle para essa doença, e se ela pode evoluir mais ainda nos chumbinhos, e nessa lavoura está caindo bastante café, e pergunta se  é por causa dela.

Nós respondemos que a mumificação de chumbinho que ocorre agora, devido à umidade, de fato tem como principal causa a ocorrência de fungo dos gêneros Phoma e Ascochyta. Ela sim pode evoluir, embora com menor intensidade, já que uma parte dos frutos, já crescendo, ficam menos susceptíveis. Ela pode, ainda, atacar frutinhos de floradas mais atrasadas e ataca, ainda, as folhas e a ponta dos ramos. 

O controle pode ainda ser praticado, mas, ele é preventivo, sendo a melhor época de pulverização na pré e na ppós-florada. Os produtos indicados são o Rovral, o Nativus, o Cantus e as estrobilurinas, como o Comet e o Amistar, estes em doses mais elevadas.

Quanto à queda de frutos, ela é devida, em sua maior parte, à falta de reserva das plantas. Ela ocorre, principalmente, em lavouras ou plantas que floresceram mais desfolhadas. Naquelas que tem carga alta, também, a queda é maior. Matiello

Município: 
Campos Gerais
Estado: 
MG
Em minha propriedade tem uma planta com esses sintomas. Que doença é essa ? Seria mancha manteigosa?

 

Resposta: 

Senhor José,

O que pode ser visto na folha de cafeeiro , cuja foto enviou, são manchas de cor marron claro, de forma  bem circular, as quais são causadas pela infecção por uma espécie de alga. O senhor pode verificar, aí, que a mancha fica em forma de alto relevo sobre a folha e tem aspecto de camurça. Depois ela acaba provocando, algumas delas, pequena necrose no tecido. Não se trata de mancha manteicosa, pois essa é caracterizada por manchas oleosas, como o nome diz, as quais  se pode ver colocando a folha contra a luz. Veja que esta alga ocorre, normalmente, em folhas velhas e em locais bem úmidos. Ela não pode ser caracterizada, propriamente, como uma doença, pois a maioria das manchas fica apenas  superficialmente nas folhas. Matiello

Município: 
ouro fino
Estado: 
MG
tenho uma plantaçao de cafe catucai 2sl com 5anos e esta praticamente condenada pela praga! do nada as plantas começaram a morrer, fui verificar e tem umas lagartas perfurando o tronco das plantas fazendo varios tuneis pelo tronco e deixando um po de serra pra traz, tentei fazer o controle com varios inseticidas mas nao tive resultado algum, usei verdadeiro no chao e fastac e decis na folha mais so piorou, praticamente 80% da lavoura esta afetada e esta começando a se alastrar para a regiao. como poderia fazer o controle dessas lagartas?

 

Resposta:

Senhor João  

O tipo de praga que o senhor mostra, atacando as hastes de cafeeiros, é desconhecida, nunca tendo sido relatada. Pela foto que enviou, parece  tratar-se de uma larva de um lepidóptero, ou seja, o inseto adulto   deve ser uma borboleta ou mariposa. O que temos parecido é a lagarta das rosetas, que perfura frutos verdes e a broca dos troncos, esta um pequeno besourinho, muito parecido com a broca dos frutos de café, porem esta só ocorre em cafeeiros robusta. Para podermos ter segurança na recomendação precisávamos classificar a praga e, para isso, necessitamos  do inseto adulto. A lagarta, cuja foto enviou, tem um aspecto parecido com a Helicoverpa, uma praga muito grave em várias culturas, que foi, eventualmente, constatada atacando cafeeiros no Oeste da Bahia, mas que estava associada a uma plantação de soja próxima, porem  logo ela desapareceu do cafezal.

No controle,  tratando-se de lepidóptero, os produtos inseticidas piretróides seriam os ideais, devendo, sempre, ser associados com acaricidas, ainda mais que o produtor usa o verdadeiro, pois pode haver desequilíbrio para ácaros.  Outra indicação seria auxiliar o controle  cortando e eliminando as hastes com as brocas, pois, como as lagartas estão dentro dos ramos seria difícil atingi-las com  a calda inseticida pulverizada. Caso o ataque persista, temos interesse em visitar o local, para tentar identificar melhor a praga. Assim, nos avise. Matiello

Anexo: 
Município: 
Luminarias
Estado: 
MG
Nas folhas não tem nenhum sintoma de doenças, a murcha está iniciando nos ramos laterais e se espalha pela planta até a morte. Arranquei algumas plantas e elas estavam com bom volume de raízes. Desde já muito obrigado!

 

Resposta:

Senhor Divino,

O que relata ocorrendo em sua lavoura é um quadro novo, ou seja, coisa ainda não vista em cafezais. A única broca de haste que se conhece é um besourinho preto, semelhante à broca dos frutos, mas ela só é problema em cafezais robusta.  Por isso pedimos que entre em contato conosco, pelo telefone 35-32141411, ramal 5, para que possa nos passar o  endereço da sua propriedade, a fim de vermos a possibilidade de fazer uma visita, para verificação do problema no local. Matiello

 

Município: 
Campos Altos
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor João,

Na maior parte das fontes de fósforo elas não são compatíveis com produtos à base de cobre. No caso do fosfito, se bem diluído, ainda daria pra aplicar, porem precisa adotar cuidados nessa mistura de tanque. Faça antes num copo de vidro para ver se não precipita.

Quanto ao uso dos fosfitos eles não são fungicidas, eles são indutores de resistência das plantas contra os patógenos. Algumas pesquisas tem mostrado seu valor quando associados aos fungicidas normais, especialmente para o caso de controle de Phoma e de Pseudomonas. Matiello.

Município: 
JACUTINGA
Estado: 
MG
Bom dia, encontrei em uma visita que fiz plantas de café morrendo, quebrei um tronco e estava cheio de tuneis, em outro tinha uma serragem em bolinhas presas numa teia de aranha, o produtor usa sempre verdadero na lavoura, o que pode ser usado para controlar essa praga?

 

Resposta:

Senhor Antônio

O tipo de praga que o senhor mostra, atacando as hastes de cafeeiros, é desconhecida, nunca tendo sido relatada. Pela foto que enviou, parece tratar-se de uma larva de um lepidóptero, ou seja, o inseto adulto deve ser uma borboleta ou mariposa. O que temos parecido é a lagarta das rosetas, que perfura frutos verdes e a broca dos troncos, esta um pequeno besourinho, muito parecido com a broca dos frutos de café, porem esta só ocorre em cafeeiros robusta. Para podermos ter segurança na recomendação precisávamos classificar a praga e, para isso, necessitamos do inseto adulto. A lagarta, cuja foto enviou, tem um aspecto parecido com a Helicoverpa, uma praga muito grave em várias culturas, que foi, eventualmente, constatada atacando cafeeiros no Oeste da Bahia, mas que estava associada a uma plantação de soja próxima, porem logo ela desapareceu do cafezal.

No controle, tratando-se de lepidóptero, os produtos inseticidas piretróides seriam os ideais, devendo, sempre, ser associados com acaricidas, ainda mais que o produtor usa o verdadeiro, pois pode haver desequilíbrio para ácaros.  Outra indicação seria auxiliar o controle  cortando e eliminando as hastes com as brocas, pois, como as lagartas estão dentro dos ramos seria difícil atingi-las com  a calda inseticida pulverizada. Caso o ataque persista, temos interesse em visitar o local, para tentar identificar melhor a praga. Assim, nos avise. Matiello

Município: 
Campos Altos
Estado: 
MG

 

Resposta:

As estrobilurinas são sim compatíveis com fungicidas cúpricos, como oxicloreto e hidróxido de cobre. Por outro lado os adubos fosfatados já testados, inclusive o P30 se mostra incompatível com produtos a base de cobre. Nesse aspecto estamos pesquisando alguma forma de P que possa ser agregada à calda fungicida que contenha cobre, isto por que o fóforo é muito eficiente na aplicação foliar. Matiello

Município: 
Jacutinga
Estado: 
MG

 

Resposta:

Os ativos fungicidas indicados na pré e pós-florada do cafeeiro são aqueles que são recomendados para controlar as doenças  por Phoma /Ascochyta, que atacam os botões flores e os chumbinhos.

Os principais são o Boscalid(Cantus), as estrobilurinas em doses maiores(Comet, Amistar etc), a combinação de Tebuconazole mais Trifloxistrobina(Nativo), o Iprodione(Rovral)  e o Iminoctadine (Belkute). Matiello

Município: 
Bonito/BA
Estado: 
BA
Com produto a base de estrobilurina e triazol é correto ou racional usar óleo mineral como adesivo.

 

Resposta:

Senhor António,

O uso de um adjuvante não é obrigatório, pois as formulações dos produtos comerciais já contem, em parte, essas substâncias, as quais facilitam o contato e a absorção das gotas pulverizadas sobre a folhagem dos cafeeiros. No entanto, sempre que se usa ocorre uma melhora ligeira no desempenho do tratamento. Matiello 

Município: 
Carmo do Rio Claro
Estado: 
MG
As lavouras é mundo novo e uma catuai podada e estão apresentando sintomas da doenças,possui niveis bons de materia organica e potassio no solo,foi adubada com 600kg/ha de 27-00-10, nao esta com carga alta e nao foi feito fungicida de solo apenas foliar com cobre e uma de opera no inicio de abril.Temo que as doenças se agravem.

 

Resposta:

Senhor Daniel,

O senhor indica que suas lavouras são da variedade  mundo novo e uma catuai podada e estão apresentando sintomas da doenças, possui níveis bons de matéria orgânica e potássio no solo,foi adubada com 600kg/ha de 27-00-10, não está com carga alta e não foi feito fungicida de solo apenas foliar com cobre e uma de Ópera no inicio de abril. Voce teme  que as doenças se agravem. 

Você pode sim aplicar fungicida adequado agora em maio, pois a colheita e, principalmente, o preparo do café, até o seu beneficiamento e consumo vai demorar um prazo longo. O problema seria o período de carência dos produtos, que segundo a regulamentação, deve ser obedecido. Os produtos mais indicados nesta época, para proteção contra doenças de inverno(Phoma/Ascochyta), com controle, também, sobre a ferugem e a cercosporiose tardias, são à base de estrobilurinas, como o Pyraclostrobina (Comet), Azoxistrobina (Amistar) e outras similares. Matiello

Município: 
Campos Altos
Estado: 
MG
A água que utilizo nas pulverizações de fungicidas e/ou inseticidas está com o ph em torno de 7, muito se fala sobre a redução de eficiência de muitos químicos em PHs elevados. Gostaria de saber a opinião de vocês sobre o tema e sugestões de possíveis redutores de ph. Grato.

 

Resposta:

 

Senhor João,

Não temos observado problemas de perda de eficiência dos produtos normais, usados no controle de pragas e doenças do cafeeiro , em caldas com pHs abaixo de 7. No geral, sim, os defensivos devem ser aplicados com pHs ácidos, ou seja, abaixo de 7. Para tanto, basta usar os sais ou ácidos normais que são também nutrientes, como o sulfato de zinco, o ácido bórico, o ácido fosfórico (P30 ou similares). Eles podem manter pHs mais baixos e, ainda, suprem os nutrientes a baixo custo. Existem produtos especializados para manutenção de Phs de caldas, no entanto eles devem ser usados em casos especiais, em águas alcalinas, em regiões calcárias. Matiello

Município: 
Rio Paranaíba
Estado: 
MG
Fizemos aqui em Rio Paranaíba, como de normal 03 aplicações de fungicida, sendo elas: 1º - OPERA - 1,5 LITROS/HA - 09/12/2015; 2º - OPERA - 1 LITROS/HA - 12/02/2015; 3º - OPERA - 1,5 LITROS/HA - 26/032015. Sendo a última com 0,5 litros a mais do que no normal. Mesmo assim hoje na data de 29/04/2015, a ferrugem continua incomodando e já esporulando novamente principalmente no 1º e 2º par de folhas já definitivos, pedindo então com urgência uma 4º aplicação para o controle. Lembrando que a aplicação está a uma velocidade recomendada, a uma vazão de 500 litros/ha, não foi feita antes da seca total das plantas, não houve chuvas fortes logo após as aplicações, não foi feita nas horas mais quentes do dia e nem com ventos fortes. Acrescentando que as plantas estão muito bem enfolhadas e bem nutridas Sendo assim será que pode ser por causa do clima, que ainda continua com alta umidade do ar e pelo calor? Está acontecendo em demais lugares? Grande abraço a todos!

 

Resposta:

Senhor Diego,

Em sua pergunta você pondera que usou o controle normal da ferugem, com 3 aplicações de fungicida, sendo elas: 1º - OPERA - 1,5 LITROS/HA - 09/12/2015; 2º - OPERA - 1 LITROS/HA - 12/02/2015; 3º - OPERA - 1,5 LITROS/HA - 26/032015. Sendo a última com 0,5 litros a mais do que no normal. Mesmo assim, na data de 29/04/2015, a ferrugem continua incomodando e já esporulando novamente, principalmente no 1º e 2º par de folhas. Você diz que está usando boa tecnologia de aplicação.  As plantas estão muito bem enfolhadas e bem nutridas Sendo assim será que pode ser por causa do clima, que ainda continua com alta umidade do ar e pelo calor?

Nossa resposta indica que a ferrugem é influenciada, sim, pelo clima, porém, muito mais pela carga pendente alta, ou qualquer outro fator de stress das plantas. O sistema de controle usado, quanto a produtos, doses e épocas está correto, apenas a última aplicação poderia ser um pouco mais tarde, em meados de abril, assim como a primeira que ficou um pouco cedo. Veja a questão da adubação, pois plantas com deficiência nutricional ficam mais susceptíveis.

Quando indaga o que vem ocorrendo nas demais regiões  temos acompanhamento no Sul de Minas e na sua região. Em Patrocínio, na lavoura acompanhada pela estação de aviso, a ferrugem, sem controle, está muito alta em fins de abril, com mais de 60% de infecção e no Sul de Minas, chega até a  80% de folhas infectadas, de  fato, neste ano, a ferrugem vem muito forte. Nós estamos creditando este comportamento ao stres que as plantas sofreram pelo veranico em janeiro. Matiello e Rodrigo

Município: 
Bonito/BA
Estado: 
BA
O serviço fitosanitario de Holanda no controlo de mudas de cafè,de origem Costarica,usadas como ornamentais na Europa,encontrou o baterio xylella fastidiosa.O baterio è muito perigroso como o caso das oliveiras na Italia. Os cafezais do Brasil podem correr este perigro!

 

Resposta:

Senhor Antonio,

Você conta que em remessa de flores da Costa Rica para a Holanda constataram a ocorrência de Xillela fastidiosa, uma bactéria perigosa. Veja que aqui, em nossos cafezais, praticamente todas as lavouras estão contaminadas. Faz uns 15 anos atrás, a bacteria foi dignosticada aqui, causando o amarelinho, a semelhança com o que occrre com o amarelinho dos citrus. No caso do cafeeiro, logo vimos que o problema passava a existir sempre que houvesse outra causa de stress, como por período seco, por carência nutricional etc. Isto porque a bactéria entope os vasos da planta e sua ação se combina com o stress. Hoje em dia não vemos problemas econômicos, ou seja, prejuízos com a Xylella. Matiello

Município: 
Alto Caparaó
Estado: 
MG

Resposta:

Senhor Ícaro,

 

Você diz tratar-se de uma lavoura bem velha, onde percebeu  coloração amarelada em muitas plantas, internódios curtos, incidência de cercospora, seca de ponteiros e, em plantas mais, atacadas a desfolha. Nas  raízes encontrou  pouca raízes finas em superfície, e em algumas cortando  o tronco verificou  uma coloração mais escura nos vasos,, mas já não percebi o mesmo sintoma em outra planta. Pensou na  fusariose ou amarelinho, mas como não tenho certeza peço a sua colaboração.

As fotos enviadas, muito boas, mostram, com clareza, os sintomas típicos da fusariose.  A doença é muito comum nas lavouras mais velhas e onde já foi feita alguma poda nas plantas, pois ela, com o corte do tecido, ajuda a contaminação de uma planta a outra. A característica de escurecimento dos vasos, abaixo da casca, nem sempre aparece em todas as áreas do tronco. Elas aparecem mais próximas de onde começa o entupimento dos vasos. Matiello


Município: 
Campos Gerais
Estado: 
MG

Resposta:

Senhor João

O uso de combinações de outros acaricidas com o Talento é sim  efetiva no controle do ácaro da leprose. No caso, o ativo que possui registro para o ácaro da leprose em cafeeiros é a Avermectina ( do Vertimec), que controla, também o ácaro vermelho e o bicho-mineiro. A dose indicada é de 400-500 ml da Avermectina mais 15 ml do Talento por ha.

No caso da abamectina, apesar de ter espectro semelhante à Avermectina, não encontramos seu registro para o ácaro da leprose, apenas para o ácaro vermelho e para o bicho-mineiro. Matiello

Anexo: 
Município: 
Perdões
Estado: 
MG
começou a mais ou menos 8 dias, e o ataque está aumentando, começa nas folhas novinhas e chega até o tronco onde morre as folhas e varas. Em alguns pés está murchando totalmente, parece que vai morre e aumenta a cada dia! O clima está chuvoso e a lavoura tem 6 anos de idade. As plantas sem ataque tem muito bom vigor. As folhas atacadas apenas escurecem não tem manchas o que dificulta a identificação.

 

Resposta:

Senhor José,

É difícil dizer, com certeza, do que se trata o seu problema de morte de ramos do cafeeiro. Precisávamos ver localmente ou, ao menos, ter umas fotos. No entanto, vamos indicar as prováveis causas, através dos sintomas que descreve.

Doença, quase certamente, não é, pois as enfermidades normais do cafeeiro, que atacam a folhagem ou a ramagem, também provocam lesões nas folhas e ramos. Também descartamos essa possibilidade, pois o senhor diz  que o problema está evoluindo muito rápido e relata, ainda, que algumas plantas ficam completamente murchas e depois morrem.

Não sendo doença, restam as causas de ordem física e química. Com isso, indicamos que pode ser efeito de raio ou faísca elétrica, nesse caso a morte do ponteiro das plantas ou, mesmo, da planta toda, ocorre na forma de reboleiras, ou seja, em uma mancha da lavoura, onde no centro dela caiu o raio, diminuindo o efeito de dentro pra fora. A outra possibilidade seria uma aplicação de adubo em alta dose, havendo a morte por excesso de sais.

Para se certificar se foi raio, veja, a principio, se houve chuva com descarga elétrica nesses últimos dias. Segundo, veja se a morte está ocorrendo na forma de um círculo. Terceiro, veja, ao cortar o tronco, com canivete, se abaixo da casca, ainda verde, existe uma camada escura.

Uma hipótese, pouco provável, seria a ocorrência da roseliniose que mata a planta de baixo em cima. Esta estaria combinada com a presença de tocos junto à área onde está ocorrendo a morte. Matiello

Município: 
Campos Gerais
Estado: 
MG

 

Resposta:

Senhor João,

Os productos acaricidas, para o ácaro da leprose, que sabemos possuem registro para a cultura cafeeira são - Envidor (300 ml/ha), Omite (600 ml/ha), Ortus (0,8 – 1 l/ha), Talento ( 15 ml/ha) . Muitos empregam  a mistura, usando o talento, este mais como ovicida, embora também tenha outros efeitos . O volume de calda deve ser de cerca de 600-800 l por ha e a época também  é muito importante.  Indica-se aplicar no pós-colheita, isto por que a pulverização, na condição de menor enfolhamento das plantas, penetra melhor. Outra boa época é  em janeiro, onde parece que a infestação dos ácaros migra  para a parte mais externa do cafeeiro. Matiello

Anexo: 
Município: 
Capelinha
Estado: 
MG

Resposta:

Senhor Thiago,

Diz o ditado que o peixe morre pela boca. Assim também é com a planta de café. No caso, a boca do cafeeiro é o seu sistema radicular.

A principal causa da morte de plantas de café, normalmente quando ainda jovens, com 1-2 anos, talvez seja este o seu caso, é o problema com suas raízes pouco desenvolvidas, seja por pião torto ou bifurcado ou presença de poucas raízes finas. A origem do problema está no uso de mudas ruins ou em plantios mal feitos. O sistema radicular do cafeeiro  interage com o tipo de solo, com maiores dificuldades em solos mais adensados ou pouco profundos.

Outras causas de morte de plantas podem ser pelo problema de rizoctoniose tardia, cuja lesão se encontra no caule, junto ao solo e pela  roseliniose, esta doença ocorrendo na presença de tocos ou raízes apodrecidas, neste último caso acontecendo em reboleira. Matiello, Saulo e Iran

Anexo: 
Município: 
Bambuí
Estado: 
MG
Gostaria de enviar mais fotos para subsidiar a indicação.

 

Resposta:

Senhor Thalles,

A foto que enviou, com os sintomas, mostra seca da parte terminal do ramo, a parte mais nova, ou seja, os últimos 4-5 nós. Neste caso, tudo indica tratar-se do ataque de Phoma. Se fosse a bacteriose por Pseudomonas, haveria morte em maior parte do ramo, atingindo não apenas o ponteiro. Também, na maioria dos casos, haveria presença de lesões de mancha aureolada na folhagem, o que na foto não aparece.

Quanto à recomendação, você deve observar se as condições climáticas aí favorecem as doenças que suspeitava. Na área próxima a Bambuí, mais quente, provavelmente não seria uma condição favorável, já que essas doenças evoluem mais em zonas mais frias e úmidas. Caso sua lavoura esteja situada em zona de altitude elevada, a mais de 900 m, aí você deve tomar cuidado, plantando renques de quebra-ventos, de milho ou crotalária, para reduzir a ocorrência das doenças.

Quando necessário, aumentando o problema,  deve-se aplicar produtos específicos, no caso, como  os fungicidas Cantus, Nativus, Rovral e outros. Aparecendo a Pseudomonas usar também fungicida cúprico, que tem ação bactericida. Matiello e Saulo

Município: 
São Roque de Minas
Estado: 
MG
Ja utilizamos quebras ventos, casumicina, s. simples, e cobre como preventivo, existe alguma outra recomendação

 

Resposta:

Senhor Jefferson,

O que disse que fez, com as aplicações de produtos mais o quebra-ventos foi todo o arsenal que se dispõe para controle da Pseudomonas. Infelizmente não temos um bactericida sistêmico que possa curar a doença. O que se poderia fazer, adicionalmente, seria reduzir um pouco a adubação nitrogenada e, se o ataque fôr em plantas novas, até 2-3 anos, se poderia fazer uma poda sanitária, cortando e tirando da lavoura as partes afetadas, pois elas constituem o inoculo, para disseminação da doença, pelas chuvas e pelo vento. Veja, ainda, como está o nível de fósforo, no solo e nas plantas, pois temos visto que plantas deficientes em P se tornam mais susceptíveis.

No futuro, caso sua região seja muito sujeita a Pseudomonas, como diz, o ideal seria plantar variedades mais tolerantes à doença. Estas estamos terminando de testar e poderíamos indicar no futuro. Matiello

Município: 
Andradas
Estado: 
MG
Essa lavoura ja tem 7 anos de idade, e tem algumas reboleiras no talhao em que as plantas ficam amareladas chegando ate a morte, algumas plantas comecam a entortar, isso comecou a acontecer depois da primeira safra. Parece que o ataque e nas raízes principais da planta. O que pode ser????

 

Resposta:

Senhor João,

Observando a foto que o senhor enviou, do sistema radicular do cafeeiro depois do pé arrancado, pode-se avaliar que dois problemas podem estar acontecendo em sua lavoura. O primeiro parece ser o sistema radicular tipo pé de galinha, que pode ser oriundo de mudas ruins ou de um plantio mal feito. As raízes grossas se desenvolveram lateralmente ,e, assim, o sistema radicular ficou pouco profundo. Isto é reforçado pelo fato que diz o problema ter começado com a primeira safra. O fato do problema ser mais sério em uma reboleira, pode estar relacionado com a presença, nessa área, de um solo também mais duro e mais pobre. A segunda possível causa é a ocorrência de nematoide, das espécies M. incognita ou M. paranaensis, os quais atacam as raízes mais grossas. Para confirmar ou não o ataque só o senhor enviando as raízes para um laboratório, sendo o mais próximo daí o do Instituto Biológico de SP ou o departamento de nematologia lá da Escola de Agronomia de Botucatu. A presença de raízes apodrecidas pode estar ligada à ocorrência dos nematoides, podendo, ainda, ser devida à própria redução progressiva da parte aérea da planta. Matiello

Anexo: 
Município: 
Lavras
Estado: 
MG
O ataque ocorre, em 50% do talhão, já fiz pulverização com fungicida cantus, e não adiantou. O curioso é que este ataque, vai e volta. E as plantas atacadas, em sua maioria tem as folhas bem pequenas,com internódios extremamente curtos, já fiz análise foliar e o teor estava médio! O que posso fazer para normalizar o crescimento da lavoura?

 

Resposta:

Senhor Luan,

Tudo indica tratar-se, mesmo, de mancha aureolada. No caso da foto, a seca está associada a lesões que a doença provocou no caule da planta, em sua  parte mais nova, no topo, levando à secagem dos ramos da parte acima da área atacada. O fato do problema ora aparecer ora sumirir e vir, como disse, se deve a que a doença é muito ligada às condições de umidade e frio. Assim, em períodos de chuva continuada a doença ataca e quando o tempo fica seco e mais quente esse ataque diminui.

Vemos que, pela foto, a sua variedade plantada parece ser o Topázio, ou um Mundo Novo, pelos brotos bronze, das folhas novas. Estas duas variedades são mais susceptíveis à mancha aureolada. Neste caso, o uso do fungicida que está aplicando não resulta mesmo. Ele é eficiente quando a doença é a Phoma/Ascochyta.  A mancha aureolada é uma bacteriose e dos produtos no mercado, apenas aqueles fungicidas à base de cobre possuem, também, ação bactericida. Para normalizar o crescimento da lavoura basta fazer a adubação correta e manter o controle da doença com fungicida cúprico. Caso seja um topo de morro, em área muito batida pelo vento, pode instalar umas barreiras quebra ventos. Matiello

Município: 
Piumhi
Estado: 
MG
1200m altitude, sem quebra vento

 

Resposta:

Senhor João,

Para o controle da mancha aureolada, a princípio todas as fontes de cobre se equivalem, bastando ajustar uma dose adequada. Sua condição de altitude é, realmente, propícia à doença e a ausência de quebra-ventos é desfavorável, especialmente nas lavouras ainda jovens. Equilibre a adubação, não usando muito nitrogênio. No mais, em zonas muito sujeitas a esta bacteriose, no futuro deverá ser plantada uma variedade mais tolerante, a qual está em teste. Matiello

Município: 
ENCRUZILHADA
Estado: 
BA
Cafezal catuaí recepado, 2-3 anos, no sudoeste da Bahia, usou pouco adubo e ainda foi plantado feijão em novembro/2014, quando bateram o feijão jogou-se muita palha sobre os cafeeiros. Hoje encontra-se desta maneira. Está desfolhando rapidamente de fora pra dentro, secando os ponteiros. Qual seria o diagnóstico e qual o controle? Obrigado! Não respondida ainda.

 

Resposta:

Senhor Carlos,

A sua suspeita está correta. A cercosporiose é uma doença que vem atacando brotações de recepa, oriundas de cafeeiros que já vinham fracos, e, com a recepa, houve, ainda, morte de raízes, o que tornou as plantas mais fracas. Como o senhor disse que não houve adubação e, também, o quadro de fraqueza foi agravado pelo plantio intercalar e provável falta de controle do mato, a cercosporiose foi uma consequência da desnutrição. No caso, a cercospora negra, além da falta de N indica, também, a falta de fósforo. Talvez você não saiba, pois deve ser mais novo no setor, a cercosporiose negra foi identificada, pela primeira vez ,aí no Planalto de Conquista, no final da década de 1970. Pensava-se tratar de uma nova raça de cercospora. No entanto, depois foi possível verificar que a ausência do halo amarelado nas lesões, que caracteriza os sintomas da cercosporiose normal, se deve à falta de resistência do tecido foliar, que está relacionada com carência de P. Matiello

Município: 
Três Corações
Estado: 
MG

Resposta:

Senhor Mauro,

Quanto ao efeito tônico, o uso de inseticidas via solo ou as combinações deles com os fungicidas, dão melhor resposta quando empregados mais no ínicio do período chuvoso, pois nesta época é que a planta tem melhores condições, de calor e umidade, para o seu crescimento e frutificação. O emprego agora em março, com certeza trará menores efeitos sobre o vigor. No entanto, esta época, mais no fim das chuvas seria a ideal de uso dos inseticidas, isto para controle do bicho-mineiro, o qual vai evoluir na medida em que se avisinha o período seco. Como os produtos devem ser absorvidos pelo sistema radicular e daí translocados para a parte aérea, em março seria a época indicada para a finalidade. Matiello

Município: 
Bonito/BA
Estado: 
BA
Pela area de Bonito/BA,pensando a uma defesa preventiva a calendario,4 o 5 pulverizaçoes, quais sao os ingredientes ativos que nao devem faltar,tambem phoma,para uma boa defesa e atençao aos custos?Salvo ao caso de manifesta carencia e sempre com atençao aos custos, è boa pratica colocar adubo foliar em todas as pulverizaçoes?

 

Resposta:

Senhor Diego,

As pulverizações para correção de deficiências de micro-nutrientes e para o controle de doenças e pragas devem ser iniciadas em out-nov e terminarem em abril-maio. Aí no Bonito, pela umidade e frio, realmente a condição é muito favorável ao ataque de Phoma. Neste caso, a indicação seria, normalmente, proteger a florada, com 2 pulverização para esta doença, em out-nov e em dez-fev. Uma terceira poderia ser realizada nos primeiros anos de controle para diminuir o inoculo, ou seja, as folhas e ramos com o fungo, esta sendo em maio. Para a ferrugem se indica usar um produto de solo mais duas aplicações foliares, estas de dez a fev e em abril maio. Quanto aos micro-nutrientes, o boro, por ser bastante deficiente e sendo sua maior eficiência quando usado via solo, sempre que for pulverizar pode agregar o ácido bórico a 0,5%, ou seja, em todas as pulverização. O cobre, nutriente e fungicida deve ser usado em 3 aplicações, de outubro a abril, pois é protetivo contra a ferrugem, e, em especial, contra a cercosporiose. O Zinco, pode ser colocado em apenas 2-3 aplicações, sendo que em excesso pode prejudicar.  Matiello

Município: 
Jaboticabal
Estado: 
SP

Resposta:

Senhor Felipe,

Muito boa a sua pergunta, sobre a qual não sabemos tudo e, por isso, nossa resposta vai com nosso conhecimento parcial, obtido pela pesquisa e, como vai ver, mais pesquisas precisam ser realizadas para elucidar bem o problema.

Vamos lá. Os resultados disponíveis sobre a infestação de broca em frutos remanescentes da colheita, na planta ou no chão, mostram que partindo de uma pequena infestação inicial dos frutos deixados pra traz, observou-se que, após 60 dias,os frutos deixados na planta apresentavam 100% de infestação e com 2-3 furos por fruto. Já, os sadios colocados no chão, sob a planta, registraram uma infestação menor de 33% de frutos brocados e com pequeno numero de brocas em seu interior. Deste modo, fica provado que as brocas preferem infestar frutos remanescentes na planta.

Falta esclarecer como a broca sobrevive nos frutos do chão até a próxima colheita. Sabe-se que existem fungos entomo-patogenicos, como a Boveria e o Metharizium que atacam a broca. Quase certamente, as condições de sombra e de umidade junto ao solo, sob as plantas, devem favorecer mais o ataque destes fungos. Outra coisa é que os frutos do chão acabam apodrecendo ou germinando, assim reduzindo, mais rapidamente, a fonte de alimento para a broca. Em sentido contrário a esse raciocínio, existe a ideia de que a umidade mantém os grãos mais fáceis de serem consumidos pela broca, pois sabemos que quando muito secos a broca não é capaz de alimentar-se deles.

Também, existem estudos mostrando que a broca entra em diapausa, ou seja, fica paralisada, sem comer e, mesmo assim, permanece viva, “re-vivendo” em período favorável.

Em conclusão pode-se dizer que os frutos que ficam na planta são mais importantes para manter a população da broca. Tudo indica que, em condições onde os frutos do chão apodrecem ou germinam mais rapidamente, como nos projetos atuais de irrigação de cafeeiros, a população remanescente da broca fica bastante reduzida.Matiello 

Município: 
Lavras
Estado: 
MG
Tenho uma lavoura de aproximadamente 1 ano e que está começando a aparecer algumas plantas amareladas que geralmente chegam a morte. Essas plantas têm apresentado um "acinturamento" na base do caule próximo a raiz como demonstrado na foto, mas não chegam a tombar. Gostaria de saber se tem algum fator ligado a rizoctoniose tardia ou pode ser algum outro problema? Agradeço desde já pela colaboração.

 

Resposta:

Senhor Alessandro,

Muito provável não ser lesão por rizoctonioze tardia, visto que, em suas plantas, ocorre um roletamento  completo do caule  e a rizoctonioze normalmente atinge apenas uma porção do caule da planta.

Outras causas levam ao roletamento do tronco de plantas jóvens, sendo  - o efeito de vento, quando o tronco fica atritando com o solo, lesões por calor, quando o plantio é muito profundo. O problema de vento se agrava em condições onde o plantio é feito em sulco com  terra muito solta. Nessas condições, as raizes se desenvolvem pouco e a planta não se sustenta bem, ocorrendo o balanço da planta pelo vento.

Quanto a lesões do tronco temos visto, ainda, no aspecto de doenças, que  o ataque do fungo  Ascochyta no viveiro pode levar a lesões tardias no campo. Matiello e Saulo

Município: 
Patrocínio-MG
Estado: 
MG

Senhora Elisa,

O mal rosado é uma doença difícil de prevenir e responde pouco ao controle com fungicidas convencionais. Dentre os produtos usuais, os fungicidas à base de cobre são os mais efetivos, para evitar o avanço da doença, de modo a não deixá-la se manifestar, de forma generalizada, na plantação. No entanto, a recomendação mais adequada é a do manejo cultural dos cafeeiros, depois da colheita, com podas sanitárias, ou seja, eliminando os galhos doentes, com isso reduzindo o inóculo do fungo.

As podas para a abertura das lavouras e para redução do sombreamento são também indicadas, para limitar as condições micro-climáticas favoráveis ao fungo (a umidade, a sombra e as baixas temperaturas).

 

Município: 
Simonésia
Estado: 
MG
sabendo que o período de chuvas anda escasso e o produtor não fez aplicação via solo para controle de ferrugem,é possível esta aplicação em fevereiro apos retorno possível das chuvas ou opta neste caso pelo controle via foliar.

 

Resposta:

Senhor Fernando,

O período ideal de utilização de fungicida via solo vai de outubro até dezembro, e, para alguns mais solúveis, mesmo inicio de janeiro. Isto se deve a que os produtos precisam ser absorvidos pelas raízes das plantas e translocados na parte aérea antes do período infectivo da ferrugem.

Deste modo, não aconselhamos aplicar agora de forma atrasada.

Neste caso, como sugere, deve buscar apenas o controle através das aplicações foliares, cobrindo o período com 2-3 pulverizações, sempre terminando mais tarde, no final de março ou até meados de abril. O mais indicado é uma formulação de triazol mais estrobilrina, existindo várias no mercado, cada uma com suas doses específicas. Matiello e Saulo

Município: 
Nova Resende-MG
Estado: 
MG
Tenho uma lavoura ladeirosa onde já foi feito controle com produto sistemico ( verdadero ) em dezembro, mas ainda existe ferrugem esporulada e tb bicho mineiro em todas as fases. Não existe a possibilidade de aplicação via foliar com canhão e nem manual motorizado, pois a lavoura é fechada. Vcs recomendam utilizar algum outro sistêmico de solo até fevereiro?

 

Resposta:

Senhor Henrique,

Sua pergunta fica difícil de ser respondida, pois o uso do produto de solo já é previsto de ser combinado com aplicações foliares, já que ele não tem eficiência completa contra a ferrugem. Normalmente, se associa com 2-3 aplicações foliares de Triazol mais Estrobilurinas.

No seu caso, como diz não poder usar a via foliar, nem mesmo com canhão atomizador, a saída para bicho mineiro existe, com uma aplicação adicional de Actara(  Tiametoxan ). Já, para a ferrugem não se recomenda uma segunda aplicação via solo no mesmo ciclo agrícola. Poderia, eventualmente, tentar uma aplicação de Flutriafol, pois este ativo é um pouco mais solúvel e pode ainda dar resultado neste ciclo agricola. Matiello e Saulo

Município: 
Andradas
Estado: 
MG
Gostaria de saber se e ataque de alguma doenca, ou consequencia da terrivel seca que vivemos???? Detalhe lavoura com todos os tratos culturais rigorosamente em dia, e essa e uma lavoura esqueletada que tinha potencial para uma producao muito boa, porém os pes de cafe estao ficando com a quantidade de frutos "rala", isso tem deixado nos produtores muito preocupados.

 

Senhor João,

As condições que podem levar à presença de poucos frutos por roseta são duas principais. A ocorrência de fungos atacando nos botões, flores e chumbinhos e a segunda é por falta de reservas na planta. Neste ano, as doenças de florada, pelo período seco, tiveram pouca evolução. O que deve ter ocorrido na sua lavoura foi a falta de reservas, como disse, em se tratando de lavoura que vem de safra zero, pós esqueletamento, a falta de chuvas levou ao stress, e, assim, houve menor pegamento da frutificação. O senhor pode ver que as últimas floradas, em toda a região,tiveram os chumbinhos perdidos por enegrecimento e queda, devido a que as poucas reservas foram para os frutos maiores, pelo efeito dreno. . Matiello

Município: 
BRASÍLIA
Estado: 
DF
posição técnica da Fundação Procafé é a mais confiável do mercado

 

Resposta:

Senhor Janio,

Realmente o Endossulfan é um produto que faz falta, pelo seu preço mais econômico e pela sua alta eficiência. No entanto, outros produtos estão gradualmente entrando no mercado. Neste ano foi liberado o Benevia para o Estado de Minas e outros produtos estão em via de registro.

Não temos levantamento de prejuizos pela broca, mesmo por que, na última safra, o maior prejuízo foi pela seca. Achamos que os prejuízos virão a curto prazo, mas, a médio prazo teremos soluções para o problema. Matiello

Município: 
Juruaia
Estado: 
MG

Resposta:

Senhor Marcio Henrique Silva,

O uso de verdadero visa o controle simultâneo de ferrugem e de bicho-mineiro, no entanto, a eficiência de controle depende de uma série de fatores, onde se destacam as condições climáticas. Neste ano as condições estão muito favoráveis ao ataque de BM, pelo efeito de estiagem e de temperaturas altas. Por outro lado, a falta de chuvas atrapalha a absorção e translocação do produto aplicado via solo. Seria esperado o controle, mas, como diz, está havendo ataque. Não se pode afirmar com certeza, mas o efeito das condições climáticas é que podem estar prejudicando a eficiência do produto. Neste caso, ou pode ser feita a correção com o uso de produto via foliar, ou, na medida em que houver umidade pode ser usado o produto específico para BM o Actara. Matiello

Anexo: 
Município: 
Ervalia
Estado: 
MG
Há alguns dias atrás falei de uma intoxicação ocorrida em minha lavoura pelo uso da mistura de Nativo com Viça café. Depois da aplicação desses produtos, as plantas de café travaram e ficaram com as folhas deformadas. Tendo em vista que foi usado doses dentro dos níveis recomendados, o que pode ter causado esses sintomas nas plantas, bem como, de que poderei proceder afim de reverter esse quadro?

 

Resposta:

Senhor Paulo Goulart

Na resposta anterior já haviamos desconfiado de uma possível contaminação ocorrida em sua aplicação dos produtos Viça café e Folicur, pois os mesmos, nas doses normais indicadas, não causam fito-toxidez. Agora, com a remessa da foto dos sintomas da toxidez verificada em sua laoura  ficou claro que houve, por acidente, a inclusão de um herbicida na calda, ou simplesmente, foi feita uma aplicação anterior de herbicida com o mesmo pulverizador, então ficou residuo do herbicida no equipamento.  Deste modo, o senhor deve procurar aí o que aconteceu.

As folhas novas afiladas e encurvadas, que podem ser vistas na foto encaminhada são tipica de intoxicação ou de glifosato ou de 2,4-D. No caso de eventual intoxicação por triazól, as folhas ficam um pouco amareladas, tem seu tamanho rduzido mas não ficam afiladas como aconteceu aí.

Para corrigir o  problema vale a mesma indicação anterior. Adubar a lavoura bem, principalmente com nitrogenio e, se possível aplicar uma formulação de amino-ácidos. Com a volta do crescimento da planta a toxidez vai desaparecer nas novas folhas. Matiello

Município: 
Andradas
Estado: 
MG

Resposta:

Senhor Joao Paulo de Oliveira

Resistência total à Phoma não temos nas nossas variedades de café atualmente disponíveis, porem temos observado muitas com boa tolerância, ou seja, são pouco infectadas pela Phoma e, assim, produzem mais nas áreas frias e umidas, mais sujeitas  a esta doença.

Estas variedades que são mais tolerantes são - Japy, Ibc-Palma 2, Catucai amarelo 2SL e Catucai amarelo 20-15 cv 479. Matiello e Saulo

Anexo: 
Município: 
Cotema- Patos
Estado: 
MG
Aparentemente é ataque de Moscas das frutas em frutos Chumbões, vocês tem visualizado este problema em outras regiões ?? O ataque é mais percebido próximo de plantas de Mangueiras e de Goiabeiras.

 

Resposta:

 

Senhor Claudiney,

Com certeza é a mosca dos frutos, conforme bem voce suspeitava. Já tivemos muito ataque semelhante em lavouras de café lá em Pirapora e na Serra do Cabral, aí em Minas.

Parece que é uma época em que existem poucos frutos, para as moscas, as suas larvas, se alimentarem. Então elas passam a atacar os frutos de café, mesmo ainda verdes, quando o normal seria um ataque aos frutos maduros como é comum e onde o dano é pequeno.  As femeas, adultas, fazem um pequeno furo na casca para ovipositarem. Dentro do fruto nascem as larvas. A queda dos frutos é provocada pela produção de etileno, oriunda de um pequeno apodrecimento interno do fruto. Para aqueles que não conhecem bem o sintoma, basta tomar os frutos caidos e aperta-los, então sai uma  aguinha nos furos. O fato de ocorrer mais ataque perto de fruteiras é correto, pois elas saem de outros frutos e vão atacar os do  café, naturalmente, aqueles mais próximos. .Matiello

Município: 
Ervalia
Estado: 
MG
Com medo de utilizar o Simbol em lavouras menores que 4 anos, sob pena de um possível "travamento", mas também querendo aplicar um produto que seja barato, cogitei misturar o Premier plus ao Simbol, afim de obter uma calda mais barata e que me proporcionasse não só o controle da ferrugem como também o efeito tônico, tão desejado em lavouras dessas idades. Gostaria de saber se posso efetuar essa mistura e em quais doses dos respectivos produtos poderiam ser usadas, bem como as doses da calda/ha recomendada em lavouras recém plantadas, lavouras de um ano e outra de quatro anos de idade.

 

Resposta:

Senhor Paulo,

Primeiro é preciso esclarecer que o uso de produto à base de flutriafol, como o Simbol, pode sim ser feito em lavouras com menos de 4 anos. Assim,  se quiser usar, é só reduzir a dose. A partir do inicio de produção(2,5 anos) a dose seria a normal, de  4-5 l de simbol por ha. Caso ocorra um pequeno travamento da parte aérea, ele é benéfico, pois ocorre, por outro lado,  um aumento do sistema radicular das plantas

Segundo, a mistura pode sim ser feita, neste caso visando associar efeito fungicida e inseticida. A melhor combinação do Simbol seria com o Premier puro não o Premier plus, uma vez que a formulação Plus já tem o fungicida na sua composição. Talvez o Premier puro não encontre ai, mas se quiser, existem outros produtos à base de Imidacloprid no mercado.

Quanto às doses para café novo poderia ser de 1 l de Simbol no pós plantio e 1,5 l no 1º ano, com 2 anos 2,5 l e a partir de 3 anos 4-5 l/ha.  Quanto ao Premier plus a dose poderia ser de 0,7l no pós plantio, 1 l com 1 ano,  1,5 l com 2 anos e 3 l a partir de 2,5 anos.  Entenda que estas doses são as indicadas para uso exclusivo, de um ou outro. Na mistura não temos experiência, mas poderiam ser usadas a dose inteira de Simbol e 1/3 da dose de Premier plus.

Com relação à calda a ser aplicada, a base é de 50 ml por planta adulta e nas mais novas poderia fazer com 20 ml por planta, sempre distribuindo em volta da planta, mais perto do tronco. Matiello

Município: 
Rio Paranaíba
Estado: 
MG
Mesmo com o controle de Cantus 150 gramas/ha, Kocide 2 kg/ha e Cercobin 750 gramas. Essa aplicação foi realizada na data do dia 15/11/2014 e quando fiz uma avaliação no dia 04/12/2014, já tinha um índice de 27% de média, que hoje 16/12/2014 já atinge uns 50% ou mais dos chumbinhos afetados pela phoma. Lembrando que tivemos mais de 10 dias diretos de chuva e frio e que a florada também atrasou por volta de um mês vindo a abrir no dia 03/11/2014. Porque mesmo com o controle a uma velocidade de 6km/h e com uma boa cobertura de 500 litros/ha de vazão, não foi eficiente? Variedade do café, Catuaí Vermelho IAC 144. Aguardo sua resposta, granbe abraço e parabéns a cada dia mais pelo trabalho dedicado a nossa cafeicultura!

 

Resposta:

Senhor Diego Bernardes Rocha

A mumificação de chumbinhos, causada por Phoma, é. realmente, um problema de difícil controle, pela inconstância na ápoca de ataque. Como disse, voce aplicou as medidas de controle quimico adequadas e a doença, mesmo assim, evoluiu.

As condições que facilitam o ataque estiveram presentes, sendo – A umidade e queda de temperatura, por chuvas continuadas, este o principal fator. A fraqueza das plantas, estressadas pela carga e depois de um stress hídrico, e, por isso, ficou desnutrida, outro fator que favoreceu o ataque. Finalmente, o controle auimico não atinge toda a planta, e, assim, raduz parcialmente a infecção. As oluções possíveis, no futuro, seriam aplicar fungicidas ainda mais preventivamente e adotar variedades mais tolerantes à doença. Nós é que agrdecemos as suas informações sempre úteis para outras regiões e produtores. Com as observações que fez vamos melhorando nosso conhecimento. Matiello e Saulo. 

 

Município: 
Rio Paranaíba
Estado: 
MG

Resposta:


Senhor José


    Variedades resistente à cercosporiose não existem, até o momento. O que existem são variedades menos susceptíveis, nem tanto pela sua genética, mas pelo vigor das plantas. Assim, a variedade conillon, robusta, quase não apresenta ataque de cercosporiose.
Por outro lado, variedades do grupo dos Catimores e Sarchimores, como o Iapar 59, Tupy, IAC 125 ou IBC12, e outras, menos vigorosas, são mais atacadas pela cercosporiose, do que as demais comuns, como o Catuaí e o Mundo Novo.
    Para sua região, mais quente e, portanto, mais sujeita à cercosporiose, adote, de preferência, variedades de maturação mais tardia, podendo ser - a Arara, o Acauã, ou Asabranca, os quais, coincidindo uma granação dos frutos mais lenta e mais tardia, fogem do período critico, mais quente, de jan-fev, onde a cercosporiose ataca mais fortemente. Matiello e Saulo

Município: 
Muzambinho
Estado: 
MG
produtores me questionam sobre a aplicação de defensivos via solo, como Verdadero, Premier plus, muitas vezes associado a micronutrientes, principalmente o Boro, porém sabendo que esses produtos são indicados para controle de pragas, seria indicado a aplicação em lavouras dessa idade, considerando que as mesmas, nem estejam sofrendo ataque de alguma praga....

 

Resposta:

 

Senhor Frederico

Os defensivos de solo, seja formulações de inseticidas, de fungicidas ou de inseticidas-fungicidas podem sim ser usadas em cafeeeiros em formação, com até 2 anos. O que deve ser feito é um ajuste nas doses, usando-se uma meia dose nas lavouras com 2 anos, que irão dar a primeira carga e cerca de 20% da dose em lavouras de 1º ano.

Nesses cafeeiros em formação os produtos de solo, alem de servirem para o controle das pragas e doenças são úteis para melhorarem o sistema radicular das plantas, dando o que se chama de efeito tônico, aumentando o desenvolvimento das plantas.

Para cada defensivo existe uma dose indicada para cafeeiros jóvens,. Consulte a bula do defensivo.

Município: 
Taiobeiras
Estado: 
MG
Temos problemas sérios com cochonilha da roseta, nossa região é quente. Gostaria de mais informações sobre o comportamento desta praga. (130 ha café irrigado via lepa, 12 anos com 5000 plantas ha

 

Resposta:

 

Sr Eldenir,

A cochonilha dos frutos é realmente uma praga complicada, pois ao mesmo tempo em que ataca forte, num ano, pode até desaparecer no outro.

 Ela pertence ao grupo das cochonilhas farinhosas e ocorre como um complexo de espécies, prevalecendo as do genero Planococcus.  No cafeeiro conillon ela tem sido a pior praga, mas lá, também, ocorre de forma ciclica, o ataque evoluindo conforme as condições de desequilibrio, sendo muito importante evitar o uso indiscriminado de inseticidas, que matam inimigos naturais das cochonilhas, como joaninhas e lixeiros, e, mesmo, fungicidas, que matam fungos também inimigos, o fungo branco Verticillium lecanii e o fungo preto. Os períodos secos são, ainda, uma razão de aumento do ataque. Em citrus existe até um inimigo, uma joaninha, importada, a Cryptoaemus montrolizieri, que controla Panococcus citri, que também ocorre em cafeeiros.

As cochonilhas se abrigam, no período de inverno, no solo, junto às raizes, subindo para a parte aérea da planta a partir de setembro, indo atacar as flores, chumbinhos e a base dos frutos, se estabelecendo dentro das rosetas. O maior prejuizo é quando o ataque ocorre até os frutos não se encontrarem granados. Por isso o controle mais efetivo deve ser feito o mais cedo possível.

Para uso em pulverizações foliares o controle quimico da cochonilha pode começar pelas reboleiras e, caso necessário ser expandido pra áreas vizinhas, conforme se observar o ataque. A melhor época de controle é em out-nov, devendo-se usar um alto volume de calda, para penetrar bem no cafeeiro e, assim, atingir as rosetas dos ramos, onde a praga se encontra. O produto mais indicado é o inseticida à base de Clorpirifós, à razão de 2l da formulação comercial por ha. Este produto é atualmente indicado,  também, para o controle da broca do café. Caso se mostrar necessária, através de amostragens de mortalidade da praga, pode-se repetir a aplicação com cerca de 1 mes de intervalo. Matiello

Município: 
Ervalia
Estado: 
MG
Obrigado, pelas explicações, referentes à primeira pergunta, a respeito da intoxicação do cafeeiro pela combinação de Viça Café e Nativo. Gostaria de saber qual o produto mais indicado para pulverização com objetivo de reestabelecer a saúde do cafeeiro, levando-se em conta que as plantas de café encontram-se aniquiladas e travadas, com folhas encurvadas, e considerando também, que a última pulverização ocorreu a menos de 15 dias. Preciso de um produto que resolva mas sem riscos de intoxicação em vistas da debilidade das plantas no presente momento.

 

Resposta:

 

Senhor Paulo Goulart

 A intoxicação que pode ter havido por excesso de dose, especialmente do triazol contido no Nativo, pode ser revertida com o uso, como já informado, de maior dose de adubo nitrogenado no solo, por exemplo, com a ureia. Para uso foliar tem um fito-hormonio registrado para uso no café que é o Stimulate(0,4 l em 400 litros dágua),  alem de um amino-ácido que testamos o amino quelante K –plus(2 litros em 400 l dágua). Existem outros no mercado.

Seria muito útil que nos enviasse  umas fotos dos sintomas, para verificarmos o tipo de fito-toxidez. Sabe-se que o tipo de travamento do crescimento das plantas, normalmente beneficia o sistema radicular, sendo até indicado para mudas e plantas novas no campo, com o objetivo de melhorar as raízes das plantas, o que acaba resultando em aumento de produtividade. Isto é obtido com uso de triazóis via solo em doses maiores.

Como diz que o travamento do crescimento da folhagem ocorreu com aplicações foliares, ou a dose foi muito alta ou, pode ser que o pulverizad0r usado havia sido contaminado por aplicação anterior de outro produto, por exemplo, um herbicida. Caso nos envie fotos poderemos tirar essa dúvida. Matiello 

Município: 
Ervalia
Estado: 
MG
Como desintoxicar a planta de café, que foi intoxicada com uso de um fungicida (Nativo) em pulverização junto com Viça Café?

 

Resposta:

 

Senhor Paulo Goulart

Primeiro é preciso destacar que é estranha a intoxicação mencionada, pois, nas doses indicadas e liberadas no registro dos produtos, junto aos Órgãos Oficiais responsáveis, não é previsto qualquer efeito fito-tóxico sobre os cafeeiros, vez que os produtos passam por teste de avaliação agronômica, no campo, antes do registro. Então se presume que, por qualquer razão, talvez por descuido, tenha havido uso de doses excessivas.

Sobre desintoxicante, não existe um específico para determinado produto usado nas plantas. O que existe são tratamentos para reverter a situação de redução do crescimento, provocada em função do efeito fito-tóxico.

Para o caso citado, pode ter havido um efeito antigiberelina, pelo uso de Triazól em excesso. Com isso, pode-se ver nos cafeeiros a redução do tamanho das folhas e seu encurvamento. Acontecendo isso, pode-se reverter o quadro usando maiores doses de adubos nitrogenados no solo, e, ainda, usar fito-hormônios ou amino-ácidos, via foliar, sendo o ideal combinar as duas soluções. Com pouco tempo, a planta volta ao seu crescimento, com folhagem normal. Matiello 

Login no Site

Mapa do Site

Mapa completo   Divulgar conteúdo

 

Copyright © 2018